Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

29/04/2011 - Rádio Criciúma Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Casal que vendia terrenos alheios como próprios no Sul do Estado é mantido na prisão


A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça negou pedido de habeas corpus impetrado em favor de Alexandro e Maria Terezinha Ribeiro, casal preso preventivamente na comarca de Jaguaruna, sob acusação de comercializar terrenos que não lhe pertenciam. A prisão está justificada na necessidade de manutenção da ordem pública. Embora advertido no curso do processo sobre a ilegalidade de seus atos, o casal voltou a praticar o comércio ilegal de lotes, fato que ensejou a decretação da preventiva.

Na ação, a defesa dos pacientes pediu que a prisão preventiva fosse revogada, uma vez que a propriedade dos terrenos ainda é motivo de discussão em outro processo. Acrescentou ainda que o casal, em precárias condições de saúde, não pode permanecer encarcerado. A desembargadora Marli Mosimann Vargas, relatora do habeas, rebateu tais argumentos. Disse que provas obtidas na ação penal de 1º grau confirmam o crime e sua autoria, inclusive com testemunhos sobre a manutenção dos atos ilegais.

"Reiteração na prática criminosa é motivo suficiente para constituir gravame à ordem pública, justificador da decretação da prisão preventiva", explicou a desembargadora. Ela também contestou a necessidade de tratamento médico específico ao casal. "Não houve provas da enfermidade, nem de que o estabelecimento prisional não tenha condições de prestar a assistência médica de que, eventualmente, necessitem", refutou.

De acordo com os autos, a denúncia de estelionato ocorreu em julho de 2010. Meses depois, uma das vítimas informou à Justiça que o casal continuava a comercializar tais lotes, mesmo com a tramitação da ação penal. A decisão de negar o habeas corpus foi unânime.



Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 166 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal