Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

27/04/2011 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Estudante é procurada acusada de matar o pai por golpe do seguro em MG

Por: Marcelo Portela

Ela teria tido ajuda de outros dois; filha e vítima também teriam tentado aplicar golpe com ele ainda vivo.

BELO HORIZONTE - A Polícia Civil mineira está à caça da estudante de Direito Érica Tafarelli Vicentini Teixeira, de 29 anos, acusada de planejar o assassinato do próprio pai, Mário José Teixeira Filho, de 50, para receber R$ 1,2 milhão de três apólices de seguro de vida. Além dela, agentes também procuram o cabo da Polícia Militar Santos das Graças Alves Ferraz, de 47, suspeito de participação no crime, e pai do namorado da universitária, Paulo Ricardo de Oliveira Ferraz, de 19, já preso por envolvimento no homicídio.

O assassinato ocorreu em 5 de agosto do ano passado. Mário Teixeira foi morto com três tiros quando estava na altura do quilômetro 43 da BR-365, em Itabirito, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo o chefe do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DIHPP), delegado Edson Moreira, ele foi atraído ao local pelo cabo Santos, que chegou a lutar com a vítima antes de matá-la. Érica, que era a única beneficiária das apólices, chegou a dar entrada na papelada dos seguros, mas, devido à suspeita de envolvimento dela no crime, os valores não foram pagos.

Moreira conta que, inicialmente, Mário Teixeira e a filha - que já estiveram presos por estelionato - planejavam dar um golpe nas três seguradoras. "A Érica foi junto com o pai nas corretoras de seguro. Eles iam simular a morte dele (Mário). Mas, no final, não conseguiram achar outra pessoa para ficar em seu lugar e ela resolveu matar o pai", disse.

As investigações revelaram que pai e filha brigavam constantemente. Ele já havia revelado a testemunhas acreditar que a filha planejava matá-lo e pensou em fugir com o filho menor, mas Érica ameaçou entregá-lo para a polícia, já que Mário tinha um mandado de prisão em aberto.

De acordo com Edson Moreira, o crime foi planejado em conjunto pela estudante, o namorado e o militar. A quebra do sigilo telefônico dos suspeitos mostrou que, no dia do crime, Érica ligou várias vezes para o pai e que Paulo e o cabo Santos estavam no local do crime no horário em que Mário foi morto.

Moreira conta que os telefones dos envolvidos já eram monitorados por causa de outra investigação, realizada pelo Departamento de Investigações de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri). Quando o estelionatário foi assassinado, segundo o delegado, Paulo Ferraz ficou próximo a uma barreira da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na BR-365 esperando o pai matar o sogro e chegou a ligar para o cabo Santos perguntando se o crime havia sido consumado.

Outro lado. Ouvidos em depoimento no início das investigações, todos negaram envolvimento no homicídio. Mas, ainda segundo Moreira, os suspeitos "caíram em várias contradições".

Diante das provas, porém, a Justiça mineira decretou a prisão preventiva dos três e o delegado revela que, depois de ser preso na quarta-feira da semana passada, Paulo "começou a falar". "Ele está alegando que foi o pai e a namorada", disse.

Érica, que morava no bairro Belvedere, uma das áreas mais caras de Belo Horizonte, também é acusada de dar golpes em várias lojas de luxo da capital mineira. A polícia tem informações de que ela estaria escondida fora do Estado.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 258 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal