Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

13/04/2011 - Comunidade News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Arquidiocese afirma ter sido vítima de golpe de R$ 2,5 mi no RS

O caso envolve um vice-cônsul de Portugal e uma suposta ONG belga.

A Arquidiocese de Porto Alegre (RS) diz ter sido vítima de um golpe que lhe causou um prejuízo de R$ 2,5 milhões.

O caso envolve um vice-cônsul de Portugal e uma suposta ONG belga, que pediram o valor como garantia a fim de liberar R$ 12 milhões para o restauro de igrejas de arquitetura lusitana no Rio Grande do Sul.

Os R$ 12 milhões nunca foram enviados, e o governo português, que a arquidiocese acreditava estar por trás do acordo, diz que não sabia de nada. Para a polícia, a igreja sofreu estelionato.

O suposto golpe começou em junho de 2010. Precisando de fundos para as obras, a arquidiocese procurou o vice-cônsul de Portugal em Porto Alegre, Adelino Cruz Pinto.

Segundo a arquidiocese, Pinto afirmou que seu governo estava interessado, mas que a doação seria intermediada por uma ONG belga.

Três padres foram a Lisboa negociar o acordo. A suposta ONG pediu R$ 2,5 milhões como caução. O valor foi depositado na conta do vice-cônsul, segundo a arquidiocese.

Em janeiro, os padres o procuraram. Ele disse que já havia mandado o dinheiro da caução para a ONG. Em março deste ano, a arquidiocese decidiu procurar a polícia.

"O vice-cônsul usava o selo do governo português. O depósito foi feito na conta dele pois ele disse que a representação diplomática não tinha conta", diz o advogado da arquidiocese, Luciano Feldens.

De acordo com o delegado Paulo Jardim, o vice-cônsul foi autor de um golpe.

O inquérito não foi concluído porque Pinto possui imunidade diplomática. O advogado da arquidiocese estuda como reaver o valor.

Atualmente, Pinto está em Portugal, onde é investigado pela corregedoria do serviço diplomático do país, segundo o governo português.

Segundo o padre César Padilha, o golpe representou um prejuízo grave. "As obras já estavam em andamento, agora não sabemos como pagar."

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 157 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal