Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

24/03/2011 - Último Segundo / Agência Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Governo suspeita de entrada irregular de dólar

Recursos registrados como investimentos para o setor produtivo estariam sendo utilizados em operações no mercado financeiro.

O governo está acompanhando com mais atenção o ingresso de dólares no País para operações de Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) voltadas para o setor produtivo. A suspeita é de que esses dólares podem estar entrando no País com registro de IED mas, na prática, estariam sendo utilizados em operações no mercado financeiro, especialmente de renda fixa, o que caracterizaria fraude fiscal e cambial.

O ingresso de dólares para investimento estrangeiro não sofre com a incidência da alíquota mais elevada do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para investimentos em aplicações de renda fixa (6%) e variável (2%). E, por isso, essas operações ficam mais baratas para o investidor. Essa inquietação do governo com a possibilidade de irregularidades no registro de IED surgiu por causa do forte fluxo neste início do ano, que vem surpreendendo não só o governo, como também o mercado financeiro.

Em fevereiro, de acordo com os últimos dados parciais do BC, o ingresso de IED somava US$ 6,7 bilhões, com a perspectiva de superar US$ 7 bilhões. Em janeiro, o ingresso de IED também foi elevado, alcançando US$ 2,95 bilhões - volume cinco vezes maior do que o verificado em janeiro do ano passado. Empresa de fachada.

Duas fontes do governo confirmaram ao Estado a preocupação com o registro de IED. Uma das fontes informou que a Receita pode ser acionada a entrar na investigação, porque também se trata de sonegação fiscal, além de fraude cambial. Uma das suspeitas é de que o IED poderia estar sendo direcionado para empresas criadas só para receber esse tipo de recurso e depois aplicá-lo no mercado financeiro.

Outra preocupação é de que algumas empresas estariam recebendo recursos a título de IED, mas os deixariam aplicados no mercado enquanto o investimento supostamente não se efetiva. "De repente", tais empresas desistiriam de fazer o investimento, retornando o recurso recebido já corrigido pela taxa de juros, uma das maiores do mundo. A preocupação com a real destinação dos recursos registrados como IED deve ser vista dentro do contexto da verdadeira guerra que o governo brasileiro entrou para evitar uma valorização da moeda brasileira ante o dólar.

Neste início de ano, conforme destacou terça-feira o próprio presidente do BC, Alexandre Tombini, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, as principais fontes de dólares para o Brasil são de IED e de créditos tomados no exterior. Restrições. O governo já discutiu colocar restrições às captações externas, por meio de um depósito compulsório ou de uma taxação maior via aumento no IOF incidente nessas operações.

No lado do IED, o problema é maior. O governo não gostaria de taxar esse dinheiro, visto como de boa qualidade e fundamental para a sustentabilidade do crescimento. Restaria, portanto, a opção de trabalhar para evitar que esse instrumento seja utilizado com outros objetivos, prejudicando a política cambial em vigor. Setores da área econômica defendem esse acompanhamento mais detalhado do IED, embora o BC, procurado pelo Estado, tenha afirmado que não identificou problemas nessa questão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 108 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal