Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/02/2011 - Diário do Pará Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Operação 'Serpentina' manda 12 para a cadeia


Ontem (23), a extravagância, a soberba e o luxo, do qual desfrutavam os integrantes de uma quadrilha, chegou ao fim. O cumprimento de 12 mandados de prisão preventiva e dois de prisão temporária, expedidos pelo juiz da 1ª Vara de Inquéritos Policiais e Medidas Cautelares, representou o desfecho de uma importante etapa da operação denominada “Serpentina”,

A operação, que é um desdobramento da operação “Insinuante” – realizada em meados de setembro do ano passado - foi coordenada pela Diretoria de Polícia Especializada e contou a atuação de policiais da Delegacia de Repressão a Crimes Tecnológicos, Núcleo de Inteligência da Polícia Civil, Data, Dema, GPE (Grupo de Pronto Emprego). As investigações duraram cerca de três meses.

Por conta da operação “Insinuante”, parte da quadrilha já havia sido presa. Naquela oportunidade, sete pessoas foram capturadas, dentre elas, Wiliams da Cruz Leite, apontado como líder do grupo. Ontem pela manhã, um indivíduo conhecido como “Marquinhos”; outro pelo vulgo de “Faustão”; Erica Farias Cantão; Ricardo da Costa Moraes, o “Seco”; Valdir Dias de Oliveira, o “Corcorã”; José Hendson Pena; Rogério Nunes do Nascimento; Walber, o “Leure”; Manoel Pereira de Souza, o Manduquinha (carteiro); Douglas Miranda, o “Tomé”; e uma idosa foram detidos.

Todos foram capturados em pontos diferentes de Belém. Erica, por sua vez foi capturada em um condomínio de luxo, assim como Ricardo, que se preparava para fazer sua mudança para outro condomínio de luxo.

Paralelamente, foram cumpridos 17 mandados de busca e apreensão. Ao todo, foram apreendidos diversos objetos, como produtos eletrônicos, roupas de grifes luxuosas, cartões de crédito e bancários, cheques, documentos falsificados e joias.

O GOLPE

Alguns carteiros dos Correios – dois deles estão presos temporariamente - desviavam correspondências, como cartões de crédito e bancários, e comercializavam aos componentes da quadrilha. De posse de documentos falsos, os criminosos promoviam farras, compravam artigos de luxo, bem como perfumes e roupas importadas com os cartões. Além disso, eles compravam passagens aéreas e adquiriam produtos eletrônicos.

A quadrilha atuava nas cidades de Belém, São Luís, Macapá, Natal e Rio de Janeiro. A delegada Beatriz Silveira, da DRCT, informou que investigações sobre uma eventual lavagem de capital irão continuar.

Ela estima que o prejuízo de uma instituição financeira com a ação da quadrilha esteja em torno de R$ 900.000,00. Outras duas instituições ainda não divulgaram quanto amargaram de prejuízo.

Em virtude das investigações por lavagem de capital, Ricardo da Costa Moraes, o “Seco”, e Erica Farias Cantão serão indiciados.

Segundo e delegada Beatriz Silveira, o padrão de vida que ambos ostentam não é compatível com os lucros obtidos pelos estabelecimentos comerciais das quais eles são proprietários.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 369 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal