Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/02/2011 - Deutsche Welle Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Descoberta na Alemanha fraude milionária com medicamentos contra a aids

Empresas farmacêuticas alemãs são acusadas de contrabandear medicamentos contra a aids subvencionados para países africanos e revendê-los na Alemanha. Prejuízo é estimado em 10 milhões de euros.

O Departamento Federal de Investigações (BKA), juntamente com outros órgãos fiscalizadores da Alemanha, investiga uma suposta fraude milionária realizada por grandes empresas farmacêuticas alemãs. Elas teriam contrabandeado da África medicamentos contra a aids subvencionados e os vendido no mercado alemão.

De acordo com o porta-voz do BKA, em entrevista nesta quinta-feira (24/02), várias empresas do ramo farmacêutico ingressaram na Alemanha com uma grande quantidade de medicamentos contra o vírus HIV que eram destinados a pacientes na África, e contabilizaram grande lucro com as irregularidades.

De acordo com o promotor-chefe da cidade de Lübeck, Günter Möller, em consequência o serviço de previdência alemão teria sofrido perdas de mais de 10 milhões de euros.

Dimensão internacional

Até o momento, sabe-se que os acusados são dos estados de Schleswig-Holstein e Renânia-Palatinado. Além das autoridades de Lübeck, órgãos fiscalizadores das cidades de Trier e Flensburg também investigam a irregularidade. O BKA, que entrou no caso devido à dimensão internacional da fraude, até agora não forneceu maiores detalhes a respeito.

Segundo informe da emissora de televisão alemã NDR, os medicamentos contra a aids, em parte em forma de tabletes, foram transportados ilegalmente em bolsas da África e passaram pela Suíça antes de chegar à Alemanha.

"Como estão envolvidas a África do Sul, a Bélgica e a Suíça, esta é uma das maiores investigações que temos realizado", declarou o promotor-chefe de Flensburg, Rüdiger Meinburg. De acordo com a NDR, os acusados faturaram cerca de 6 milhões de euros vendendo os produtos falsificados a preços regulares às caixas de saúde alemãs.

O deputado do Partido Social Democrata (SPD) Karl Lauterbach disse considerar o caso excepcionalmente grave. "Roubar medicamentos destinados às pessoas pobres de países em desenvolvimento para vendê-los mais caros aqui: não sei o que de pior poderia acontecer no setor farmacêutico."

Desde 2009

A fraude foi descoberta, segundo a NDR, em agosto de 2009 em uma farmácia da cidade de Delmenhorst, no estado da Baixa Saxônia, onde um paciente notou que uma das caixas fechadas do remédio estava vazia.

Logo que a empresa farmacêutica GlaxoSmithKline, com sede em Munique, analisou a embalagem, ficou comprovado que tanto ela quanto a bula eram falsos. A empresa retirou os medicamentos do mercado e informou o comércio atacadista e as farmácias sobre o assunto. Outra empresa, a Boehringer Ingelheim, fez o mesmo em 2009 e 2010.

Muitas empresas farmacêuticas disponibilizam seus medicamentos contra a aids às organizações de ajuda humanitária a preços mais baixos do que os normais. Deste modo, tentam evitar que falsificadores de medicamentos burlem a lei de proteção de patentes.

"Os remédios pertenciam a organizações de ajuda humanitária e eram destinados ao tratamento da aids em pacientes sul-africanos", disse Oliver Giebel, porta-voz da AOK, uma das maiores caixas de saúde alemãs.

Os medicamentos entraram na Alemanha por comerciantes atacadistas, apesar de a venda não ser autorizada. Se for confirmada a culpa, os acusados enfrentarão uma pena de três meses até dez anos de prisão. A AOK exigirá, ainda, indenizações de 100% às farmácias envolvidas na venda de remédios falsificados, informou seu porta-voz.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 154 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal