Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/02/2011 - Diário de Marília Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Negado arquivamento de processo contra megagolpista

Arineu Zocante é réu em caso de estelionato na cidade de Ourinhos.

Condenado a mais de 50 anos de prisão, o megagolpista Arineu Zocante teve negado pela Justiça uma liminar que pedia o arquivamento de um processo em que ele responde por estelionato (artigo 171). A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo e é assinada pelo desembargador William Campos, do Tribunal de Justiça.

O habeas corpus foi solicitado por um dos comparsas de Zocante, o agricultor Marcos Aurélio Silva Bonfim, 40. A defesa alegou falta de provas para incriminar os golpistas e que a denúncia só aconteceu passado quatro anos do crime. Também é citado que a acusação não cita qual a real participação deles no crime.

Na decisão, o desembargador diz ser cedo e “inviável” conceder o arquivamento do processo. Ele solicita às autoridades responsáveis pelas investigações fornecerem mais informações da atividade criminosa praticada por Zocante e Bonfim.

O crime citado foi cometido na cidade de Ourinhos (90 km de Marília) em 2003 e só foi veio à tona durante a ‘Operação Oeste’, deflagrada pela Polícia Federal de Marília em abril de 2007. A reportagem do Jornal Diário buscou maiores detalhes sobre a ação, no entanto não obteve êxito. Zocante está preso na Penitenciária de Álvaro de Carvalho.

Dupla está envolvida no “golpe das pedras”

Este não é o único processo em que Zocante e Bonfim respondem juntos. Eles são acusados de furtar diamantes de um grupo de empresários e garimpeiros de Belo Horizonte (MG), em dezembro de 2005.

O crime, que ficou conhecido como “Golpe das Pedras”, também foi descoberto durante a ‘Operação Oeste’. Na ação, Bonfim teria distraído a vítima e fugido de um hotel da cidade levando 200 pedras de diamante bruto, avaliadas em R$ 300 mil. Zocante ficou nas proximidades dando cobertura.

No mesmo processo é citado o advogado João Simão Neto. Ele teria descoberto o golpe, inteirado sobre a fuga e passado a extorquir o comparsa de Zocante. Segundo a denúncia, ele ficou com 40% das pedras para não entregar o esquema à polícia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 763 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal