Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

22/02/2011 - Bonde News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Mulher é condenada por falsificar histórico escolar


O juiz da 8ª Vara Criminal de Belo Horizonte, Narciso Alvarenga Monteiro de Castro, condenou uma secretária a dois anos de reclusão pelo crime previsto no artigo 297 (falsificação de documento público) do Código Penal (CP).

O magistrado substituiu a pena privativa de liberdade por duas restritivas de direitos: prestação de serviços à comunidade em igual prazo ao da condenação e a limitação de fim de semana. Essa limitação significa que ela é obrigada a permanecer, aos sábados e domingos, por cinco horas diárias em casa de albergado ou outro estabelecimento adequado.

De acordo com a denúncia, em 2002, a secretária, aproveitando-se do fato de trabalhar em um colégio particular, falsificou um histórico escolar relativo ao ensino médio em favor de uma amiga, que prestava serviço de conservação e limpeza nas dependências do colégio. Tendo em vista o baixo grau de escolaridade da amiga, a secretária resolveu atender ao pedido dela, para que esta pudesse eventualmente conseguir um emprego melhor.

A defesa da secretária requereu a sua absolvição, alegando que o documento não foi utilizado, e ainda requereu o reconhecimento da confissão espontânea. A faxineira também responderá pelo crime em processo separado.

A falsificação foi comprovada no processo, bem como a sua autoria. Em seu interrogatório, a secretária confirmou que havia falsificado o documento, porém, cumprindo ordens de seu chefe, falecido no ano anterior.

O magistrado observou que não havia indício e nem comprovação de que o chefe tenha participado dos fatos, e, na fase de inquérito, ela não mencionou a participação de outra pessoa na prática do crime, "o que torna suas declarações em juízo, na parte em que tenta imputar o crime a outro, despidas de credibilidade".

Quanto à alegação de que o documento não foi utilizado, o juiz explicou que o mero ato de falsificação já configura o crime. Para a dosagem da pena, ele considerou a atenuante da confissão espontânea.

Essa decisão está sujeita a recurso.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 121 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal