Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

17/02/2011 - Diário de Pernambuco Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fábricas de cosméticos fechadas

Duas unidades clandestinas foram interditadas, uma delas funcionava em Aldeia, Camaragibe.

A Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa) colheu amostras para analisar os produtos apreendidos ontem durante operação em duas fábricas clandestinas de cosméticos. A operação foi realizada em parceria com a Polícia Civil. As duas unidades vinham sendo investigadas há um mês. Uma delas funcionava no bairro da Muribeca, em Jaboatão dos Guararapes. A outra ficava em Aldeia, em Camaragibe. Nas duas empresas, os policiais encontraram produtos produzidos sem licença sanitária, como perfumes, pomadas e cremes com utilização terapêutica, que são classificados como medicamentos. Ninguém foi preso.

O delegado Tiago Cardoso, da Delegacia de Combate à Pirataria, informou que os proprietários dos estabelecimentos vão responder pelo crime contra saúde pública e contra a marca. No caso da fábrica localizada na Muribeca, o dono também será indiciado por posse ilegal de arma, uma vez que os policiais apreenderam no escritório um revólver calibre 38, sem registro. Há ainda, segundo o delegado, indícios de crimede falsificação. ´Na fábrica da Muribeca, encontramos uma grande quantidade de perfumes sendo rotulados com imitações de marcas famosas`, completou. Segundo o delegado, a empresa possuía apenas autorização para fabricar comésticos. E, mesmo assim, já estava vencida. Somente no endereço foram recolhidos 10 mil itens.

As duas fábricas foram lacradas pelos agentes da Vigilância Sanitária. O diretor executivo da Apevisa, Jaime Brito, explicou que os donos serão autuados. ´Apreendemos uma grande quantidade de produtos irregulares, inclusive várias embalagens vazias de formol, cuja venda é proibida`, ressaltou. Jaime Brito disse ainda que as duas empresas vão responder a processo sanitário. Segundo o diretor, as fábricas estão sujeitas a multas que podem variar de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão, dependendo da gravidade de cada caso.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 147 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal