Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

15/02/2011 - Correio da Manhã Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Burla em pirâmide copia Dona Branca

Por: Lurdes Mateus

Oeiras: Investimentos em objectos de arte e antiguidades.

Três gestores da Cunha e Albuquerque, empresa que em Portugal representa o grupo Afinworld, especializado na negociação de objectos de arte e antiguidades, estão a ser julgados por burla agravada e recepção ilícita de depósitos.

Num esquema em pirâmide, os três gestores atraíram, durante anos, investidores, com promessas de juros até dez por cento ao ano. Diziam ter ligações com o BES, Deutsche Bank, Barclays e Afinsa – empresa também envolvida numa presumível fraude com selos, em Espanha e Portugal. Entre os lesados, alguns em centenas de milhares de euros, estão empresários, profissionais liberais, personalidades do jet set, um major-general do Exército e uma procuradora do Ministério Público.

As investigações à Cunha e Albuquerque surgiram na sequência de uma denúncia feita à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), encaminhando-a para o Ministério Público, que, com a Polícia Judiciária, iniciou a investigação. A Cunha e Albuquerque, sediada em Cascais, tem como sócios o casal Pedro e Maria Cândida Albuquerque e Jorge Figueiredo, filho do empresário com o mesmo nome que foi presidente do Estoril Praia, do Dramático de Cascais e candidato à presidência do Benfica.

O ‘modus operandi’ utilizado pela Cunha e Albuquerque, com objectos de arte e antiguidades, é em tudo semelhante ao utilizado pela Afinsa, com selos.

Com a promessa de pagamento de juros a dez por cento, sem qualquer risco, celebravam contratos de aquisição de obras de arte. Depois, no final do contrato, se não aparecessem compradores a Afinworld comprometia-se a pagar aos investidores o dinheiro despendido mais os respectivos juros. Como os objectos de arte vendidos em leilão nunca atingiram o alto valor por que foram avaliados, os juros dos primeiros investidores foram pagos com o dinheiro dos novos investidores, e assim sucessivamente.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 271 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal