Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

31/01/2011 - Época Negócios Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Com falso currículo, britânico conquista emprego de R$ 500 mil

No currículo, o inglês Peter Gwinnell disse que havia cursado as universidades de Oxford e Harvard e só foi pego após um mês de trabalho e viagens de primeira classe.

Munido de um currículo falso e muita cara de pau, um homem conseguiu um emprego com salário de quase R$ 500 mil ao ano – e só foi pego depois de ter feito viagens ao Oriente Médio para falar com investidores. Diante da justiça, ele foi condenado a 50 semanas de prisão por fraude.

O inglês Peter Gwinnell, de 49 anos, colocou um currículo na internet, em que afirmava ter se formado nas prestigiosas universidades de Oxford, no Reino Unido, e de Harvard, nos Estados Unidos. Dizia ainda que tinha trabalhado durante 20 anos no banco de investimento JP Morgan.

O currículo – completamente inventado – parecia tão bom que atraiu a atenção dos headhunters do banco de investimento Connaught, o mesmo que cuida das finanças da Rainha Elizabeth II, que o colocaram em contato com a empresa Ahli United Bank, que procurava um vice-presidente.

Gwinnell conseguiu incorporar tão bem o papel de alto executivo que o diretor do banco decidiu lhe dar o emprego, uma semana após a entrevista.

Durante um mês, o falso executivo representou o Ahli United Bank em viagens para o Oriente Médio e nos contatos com clientes milionários. Somente nesse período, ele ganhou um salário equivalente a R$ 41 mil.

Somente quando o banco decidiu contratar uma empresa para checar seu currículo é que perceberam que a história era uma farsa. Na verdade, Peter Gwinnell é um salafrário condenado, que havia passado seis meses na prisão nos anos 90.

O falso executivo agora está sendo julgado por seu crime. Na primeira audiência, nesta segunda-feira, o juiz o sentenciou a 50 semanas na prisão, mas suspendeu a ordem por um ano e meio, após ele ter admitido sua culpa. Gwinnell já passou 12 semanas sob custódia e está sofrendo de depressão profunda. Mas o juiz foi duro em um ponto: Gwinnell não pode colocar seu currículo na internet sem autorização da justiça.

A sentença fica suspensa até junho do próximo ano, quando o falso executivo terá de se submeter a uma nova audiência - que decidirá se ele deve ou não ir para a cadeia. Até lá, ele terá de cumprir 100 horas de trabalho comunitário e ficará 18 meses sob supervisão de um oficial de justiça, enquanto faz tratamento para a depressão.

O falso CEO foi desmascarado quando a empresa Control Risks ligou para a Universidade de Oxford e descobriu, para sua surpresa, que ele nunca sequer havia passado perto de frequentar um de seus cursos. A mesma resposta veio da Universidade de Harvard e, claro, muito menos do JP Morgan.

A fraude custou ao Ahli United Bank cerca de R$ 80 mil, incluindo salários, despesas com hotéis e voos e comissões para o Connaught.

Mesmo após ser desmascarado pelo banco, Peter Gwinnell ainda enviou seu currículo para um banco suíço, mas sob pressão da polícia, teve de retirar seu pedido.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 114 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal