Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

30/01/2011 - Diário do Nordeste Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

DDF investiga venda de atestados

Em depoimento na delegacia, o acusado confirmou ter vendido atestados falsos até mesmo para PMs.

Utilizando um computador pessoal e o acesso a documentos e informações privilegiadas que obtinha por trabalhar em um hospital, o técnico em informática Gilberto Costa Pires Filho, 47, está sendo acusado de confeccionar atestados e receituários médicos para vender, inclusive, para policiais militares.

O golpe foi descoberto pela Polícia com a prisão do acusado do crime, na última semana, no Conjunto Ceará. O caso agora está sendo investigado pelo delegado Jaime Paula Pessoa Linhares, titular da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), que deve ouvir, ainda esta semana, representantes do Conselho Regional de Medicina do Ceará. (Cremec).

Denúncias

Segundo Jaime Linhares, a prisão de Gilberto ocorreu depois de denúncias anônimas feitas aos policiais militares da 4ª Companhia do 6º BPM (Conjunto Ceará). Os PMs confirmaram a informação e, sob o comando do major PM Océlio Alves, realizaram a prisão do acusado e a apreensão de dezenas de receitas e atestados, além de um carimbo de uma médica.

Na delegacia, o técnico em informática disse que trabalha no Hospital Albert Sabin e lá, obteve os dados e informações para realizar a montagem dos documentos fraudulentos. Com ele foram apreendidos um bloco de 50 folhas de receitas em branco, 11 atestados médicos não preenchidos, dois com nomes de clientes, dois receituários no nome dele e um carimbo com o nome de uma médica.

Gilberto disse aos policiais que não conhece os médicos os quais ele usa os nomes nas fraudes. Entre os documentos encontrados na casa do acusado, estão atestados médicos escolares, funcionais com a logomarca de hospitais municipais e até uma relação com os códigos das doenças. Os documentos falsificados eram vendidos por R$ 20,00, ou conforme negociação prévia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 176 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal