Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

17/01/2011 - PB Agora Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Justiça condena ex-prefeito de Areia

Por: Lana Caprina


O ex-prefeito de Areia Ademar Paulino de Lima foi condenado por crime de improbidade administrativa, acusado de fraude em licitação. A sentença é do juiz da 4ª Vara Federal de Campina Grande, Emiliano Zapata, que aplicou multa civil no valor de dez vezes o valor da remuneração recebida em virtude do exercício do cargo de prefeito de Areia à época da prática do ato de improbidade administrativa (dezembro de 2004).

O juiz também determinou a suspensão dos direitos políticos de Ademar Paulino por cinco anos, além da proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócia majoritária, pelo prazo de três anos.

A fraude teria sido praticada na carta convite nº 018/04, tendo por objeto a recuperação e a ampliação do Espaço das Artes Machado Bittencourt. Participaram da licitação as empresas MP Construções, MNL Planejamento Engenharia e Construção, Constral e a Prestacon, sendo que apenas as duas primeiras teriam sido habilitadas, tendo a empresa MNL Planejamento vencido o certame, cujo resultado foi homologado pelo então prefeito Ademar Paulino de Lima.

Ocorre que a participação da empresa Prestacon na referida licitação não passou de uma farsa, segundo afirma o juiz Emiliano Zapata, com base em depoimentos prestados pelos sócios da empresa, Jacson de Andrade Fablício e João Freitas de Souza, os quais afirmaram não haver recebido qualquer convite para participar do certame nem apresentado a documentação.

“A fraude também resta evidenciada pelo fato de que as duas empresas licitantes habilitadas, quais sejam, a MP Construções e a MNL Planejamento, possuíam um sócio em comum, Manoel Penha do Nascimento, o que deixa patente o direcionamento da licitação de modo a favorecer este último e a empresa Ré”, destaca o juiz.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 143 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal