Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

17/01/2011 - Portal Terra / EFE Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Promotoria quer multar 4 bancos por envolvimento na quebra da Parmalat


A Promotoria de Milão solicitou nesta segunda-feira que seja aplicada uma multa de 3,6 milhões de euros aos bancos Deutsche Bank, Citigroup, Morgan Stanley e Bank of America pelo suposto envolvimento na quebra da Parmalat em 2003.
Segundo a imprensa italiana, a promotoria pediu ainda que sejam confiscados dos bancos 120 milhões de euros do lucro obtido nos últimos anos da gestão de Calisto Tanzi na Parmalat que, segundo a acusação, devem ser expropriados como renda oriunda do crime de agiotagem (especulação abusiva).

Segundo a promotoria, as quatro entidades divulgaram informações falsas com o fim de alterar o preço dos títulos da empresa, em cumplicidade com Tanzi.

A multa solicitada para os bancos chega a 900 mil euros para cada entidade, enquanto o valor do confisco varia por caso e corresponde aos benefícios obtidos pelas instituições financeiras.

De acordo com as sanções requeridas pelo órgão judicial, o Morgan Stanley deve pagar 5,9 milhões de euros; o Deutsche Bank, 14 milhões; o Citigroup, 70 milhões, e o Bank of America, 30 milhões.

A Promotoria também pediu a condenação de seis funcionários, que poderiam pegar penas de um ano a um ano e quatro meses de reclusão.

A Parmalat, que chegou a ser o oitavo maior grupo industrial da Itália, decretou falência após descobrir um "buraco" financeiro de 14,5 bilhões de euros. Sua quebra afetou cerca de 32 mil investidores.

O primeiro julgamento pelas responsabilidades na falência da Parmalat começou em Milão em setembro de 2006 e apontou 20 culpados, entre eles seis bancos acusados pelos crimes de especulação, obstrução da vigilância da agência reguladora da bolsa e fornecimento de informações falsas.

Em 14 de março de 2008 começou na cidade de Parma um segundo julgamento contra Tanzi e outros 15 acusados, no qual o Tribunal condenou o ex-dono da companhia em primeira instância a 18 anos de prisão.

Esta foi a segunda condenação de Tanzi, já que em maio passado o Tribunal de Apelação de Milão confirmou a condenação de dez anos de prisão decretada em primeira instância para o ex-proprietário da Parmalat, no outro processo judicial aberto pela quebra da companhia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 158 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal