Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

08/01/2011 - EPTV.com Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia investiga escola que oferece diploma à distância

EPTV denunciou o caso; administrador disse que não sabia.

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar uma escola de Lavras que oferece supletivos à distância, com diplomas emitidos no Rio de Janeiro. Na última quinta-feira (6), a EPTV denunciou a instituição que oferecia o serviço de forma irregular, já que em Minas Gerais os supletivos não presenciais são proibidos e esses diplomas não têm validade no Estado.

Com uma câmera escondida, uma equipe de reportagem da EPTV Sul de Minas foi até a escola e conseguiu constatar a irregularidade. Sem saber que estava sendo gravada, uma das funcionárias da escola explicou como funciona o esquema: "Se a pessoa dividir o pagamento em 10 vezes, o diploma só vem depois que ela terminar de pagar. Se pagar em duas vezes vem mais rápido e se pagar à vista, em até 15 dias o diploma já está aqui". A funcionária garantiu que "o diploma é legal".

Os diplomas e os históricos são emitidos em nome de escolas do Estado do Rio de Janeiro sem que o aluno frequente uma aula sequer. Basta o estudante fazer uma prova com consulta e pagar uma taxa que varia de R$ 450 a R$ 900. Uma mulher que se apresentou como proprietária da escola não quis gravar entrevista. Sem saber que estava sendo filmada, ela informou que a escola já funcionava há 16 anos. Para a equipe da EPTV, ela reconheceu que os cursos não são válidos e disse que não fazia mais o supletivo.

Parceria

A equipe de reportagem do EPTV conversou com o administrador da Cevest, Hideraldo Márcio da Silva. Ele disse que a escola tem uma parceria com o Colégio Interamericano e que capacitam os alunos. O administrador disse desconhecer qualquer irregularidade do supletivo à distância. A EPTV também conversou por telefone com um homem que se identificou como o dono do centro educacional carioca, Luis Eduardo Silva dos Santos. Ele disse que o Colégio Interamericano parou de funcionar há dois anos e que desconhece a emissão de diplomas em nome da instituição em 2010.

Segundo o delegado Lucas Romão, os responsáveis podem responder por crimes de estelionato e de contra a fé pública e falsidade documental. A pena para os dois crimes pode chegar a 11 anos de prisão. A Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais disse que também está investigando a denúncia e que pode levar o caso para o Ministério Público.

A polícia tem 30 dias para concluir o inquérito.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 2421 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: Francisco antonio alves - 01/02/2013 23:43

Eu quero saber como faço para denunciar este mesmo esquema de diplomas falsos aqui em Diadema,onde a escola que fornece é CENAE em nome do CENTRO EDUCACIONAL CARIOCA mas ja sabemos e temos provas que é tudo falso,eu sou vitima



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal