Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/12/2010 - Diário do Nordeste Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Apreendidos em Iguatu remédios falsificados

Por: HONÓRIO BARBOSA

Lucro ilegal médio de R$ 50 mil por mês estava sendo gerado por produção irregular de medicamentos.

Iguatu. As coordenadorias de Vigilância Sanitária do Estado e deste Município concluíram, ontem, processo administrativo referente à apreensão de 1.688 caixas com medicamentos fitoterápicos, produtos de higiene pessoal, cosméticos, além de milhares de embalagens e equipamentos de fabricação. Essas mercadorias eram fabricadas por cinco empresas que funcionavam ilegalmente nesta cidade, sem autorização do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). São milhares de itens que foram apreendidos pela Vigilância Sanitária e que estão provisoriamente em três depósitos do Centro de Zoonose de Iguatu.

A diversidade de medicamentos fabricados sem a devida licença, a precariedade das instalações, a falta de higiene e manipulação dos produtos e a ampla indicação de tratamento surpreenderam os técnicos do órgão fiscalizador.

As apreensões foram concluídas recentemente, após investigação da Polícia Civil nesta cidade, que recebeu denúncia anônima. Inicialmente, houve o fechamento de uma indústria que funcionava ilegalmente no Bairro Areia Park, na periferia desta cidade. A unidade falsificava o antibiótico à base de tetraciclina de marca Telexin, que na verdade era cápsula com farinha de trigo.

O delegado regional de Polícia Civil de Iguatu, Agenor Freitas de Queiroz, instaurou inquérito para apurar o crime hediondo de falsificação de medicamento, com base no artigo 273 do Código Penal. Em seguida, o delegado recebeu mais denúncias sobre a produção de medicamentos, produtos fitoterápicos e cosméticos em cinco empresas que funcionavam irregularmente nesta cidade.

Fiscais da Vigilância Sanitária, com apoio da Polícia Civil, realizaram a apreensão de milhares de produtos, embalagens e dezenas de equipamentos de fabricação nas empresas Flor do Sertão, Flora Vida, Nossa Flora, Plus Mel e Flora Pura. No total, são 50 itens com indicações diversas para tratamento e prevenção de doenças da próstata, infecções da garganta, vaginal, impotência sexual, reumatismo, fígado, tumores estomacais. Havia também produção de composto vitamínico, fortificantes, cosméticos e produtos de higiene. De acordo com a coordenadora da Vigilância Sanitária do Estado, do 18º Centro Regional de Saúde, Maria José Araújo, os medicamentos e cosméticos eram produzidos sem condições adequadas de higiene e sem o devido registro no Ministério da Saúde e da Anvisa.

"São mercadorias falsificadas à base de sacarose (açúcar), mas anunciado com composto de mel de abelha. Também nos cremes, nas vitaminas e nos fortificantes não há comprovação de que as matérias-primas anunciadas estão presentes no produto", explicou. "A maioria das unidades produtivas não apresentava condições mínimas de higiene e estrutura física".

Em uma das fábricas, o creme vaginal ficava em uma caixa d´água de plástico sobre o chão e havia dezenas de baldes com matéria-prima espalhados pelo piso. "Só em duas unidades havia práticas razoáveis de manipulação dos produtos", frisou Maria José Araújo.

Termos de apreensão

A Coordenadoria Regional de Vigilância Sanitária está concluindo o processo administrativo sanitário, os termos de apreensão e depósito das mercadorias já foram lavrados. Essa documentação vai servir de informações para o inquérito policial e posterior ação penal na Justiça contra os proprietários dessas empresas com base no artigo 273 do Código Penal, que trata da falsificação de medicamentos e produção sem a devida licença e registro exigidos.

Os relatórios serão enviados para a Vigilância Sanitária do Estado e para a Anvisa para possibilitar a apreensão desses produtos e coibir a comercialização no âmbito nacional. "A fiscalização na região será ampliada a partir desta semana", disse Maria José Araújo, que esclareceu que a empresa Flora Pura é a única que obteve autorização da Anvisa para fabricar cosméticos e produtos de higiene pessoal na sede em Iguatu.

O coordenador da Vigilância Sanitária do Município, Gilson Alencar, observou que os produtos são vendidos em vários Estados do Nordeste e recebem embalagens de boa qualidade, com fotos de pessoas saudáveis e excelente apresentação. "São anunciados como da farmacopeia brasileira, apresentam nome de responsável técnico e até número de uma lei que dispensaria registro, mas isso é irregular", disse. "Não se pode vender medicamentos de porta em porta", alertou ele.

O negócio do mel, como é popularmente conhecido neste Município, funciona há quase uma década e emprega centenas de vendedores nas cidades do Nordeste brasileiro. O êxito na comercialização fez com que os empresários ampliassem a oferta de produtos, como vitaminas e fortificantes. A Vigilância Sanitária suspeita que os compostos não têm mel de abelha e nem outros ingredientes anunciados, apenas essência, água e açúcar. Há uma estimativa que o negócio gerava um lucro médio em torno de R$ 50 mil por mês, ilegalmente.

Cuidado

"Não se pode vender medicamentos de porta em porta. Deve-se ter cuidado"
GILSON ALENCAR OLIVEIRA
Coordenador da Vigilância Sanitária de Iguatu

"A fiscalização na região do Centro-Sul será ampliada a partir desta semana"
MARIA JOSÉ DE ARAÚJO
Coord. da Vigilância Sanitária do Estado (18º Ceres)

MAIS INFORMAÇÕES
Coordenadoria de Vigilância Sanitária do Estado no Município de Iguatu - Região Centro-Sul
Telefone: (88) 3581. 9400

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 504 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal