Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

13/12/2010 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Flanelinhas viram falsos valets

Por: Camilla Haddad

Eles cobram R$ 10 para parar carro na rua em Pinheiros; PM disse que procura "intensificar o policiamento".

Eles vestem calça social, camisa, gravata e simulam ser manobristas de um valet na Rua dos Pinheiros, zona oeste de São Paulo. No lugar do guarda-sol com mesa, os "funcionários", que na verdade são flanelinhas, usam a calçada para colocar uma cadeira de escritório e placas que atraiam clientes: "Estacione aqui, tranque e leve a chave". Os valores chegam a R$ 10. Outras placas são fixadas em árvores.

Frequentadores dos bares e restaurantes dizem que a movimentação de flanelinhas ocorre em dois quarteirões da rua, onde há um complexo de restaurantes mexicanos. Mas, há cerca de três meses, os guardadores de carro teriam aprimorado o serviço para garantir maior clientela. Na opinião de um deles, que não quis se identificar, a mudança deu resultado.

"Em um fim de semana dá para ganhar até R$ 400", conta um rapaz, que leva uma mulher de 70 anos para cuidar do caixa e a apresenta como tia. A idosa, chamada de "tia", fica em uma cadeira das 20 horas às 3 horas e é encarregada de fazer a cobrança. Já as vagas são reservadas em garagens de lojas que fecham à noite.

"Eu sou segurança daqui (das lojas) e os carros podem parar nessas vagas também", explica o flanelinha, que não admite a real profissão. Na altura do número 600, um outro flanelinha chama os carros vestindo camisa e gravata. Ele trabalha com a ajuda de outros cinco manobristas durante toda a madrugada.

A estudante Aline, de 25 anos, que não quis fornecer o sobrenome, deixou na madrugada de sexta-feira um C3 com os flanelinhas. Pagou R$ 10 para ficar duas horas em um restaurante mexicano. "Até compensa, porque no valet do restaurante custa R$ 14 para estacionar e a gente nem sabe para onde o carro é levado."

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a repressão a flanelinhas, por não se tratar de infração de trânsito, não é de sua responsabilidade.

A Polícia Militar informou que procura intensificar o policiamento para intimidar a conduta de criminosos. Ainda de acordo com a corporação, o crime mais comum entre flanelinhas é o de extorsão, quando a pessoa exige dinheiro para "autorizar" o estacionamento em via pública. Também podem ser caracterizados crimes de dano, furto, roubo, constrangimento e ameaça.

FIQUE DE OLHO

Cobrança

Caso a pessoa tente parar onde foi colocado um cavalete ou uma placa e seja cobrada indevidamente por isso, está configurado o crime de extorsão. A Polícia Militar deve ser acionada

Multas

Jamais deixe a chave do veículo com pessoas não identificadas, pois, além do risco de multas e de furto, também pode ocorrer a utilização do carro para crimes

Valets

Procure parar os carros em valets regulares. Normalmente, esse serviço está disponível na frente dos restaurantes


Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 149 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal