Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS



Promoção BLACK WEEK. Até o dia 02/12 valor promocional para o Treinamento sobre Fraudes Crédito e Comércio ! CLIQUE AQUI.


Acompanhe nosso Twitter

12/12/2010 - Notícias de Aveiro Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Contabilista julgada por desviar impostos para conta pessoal


Funcionária com conhecimentos de contabilidade começou a ser julgada em Ovar por desvio de dinheiros de impostos de clientes que, segundo a acusação, totalizaram, durante três anos, cerca de 100 mil euros.

A única arguida do processo, que não compareceu no inicio do julgamento invocando motivos de saúde, responde, entre outros ilícitos criminais, por práticas de burla e falsificação.

A alegada apropriação indevida de verbas terá ocorrido entre 2003 e 2006, lesando cinco clientes de um pequeno gabinete de contabilidade onde a acusada trabalhou naquele período.

Segundo contou em audiência de julgamento o ex-patrão, a acusada terá falsificado cheques que lhe eram entregues para cobranças de impostos e contribuições sociais, depositando as quantias (parcial ou totalmente) na sua própria conta.

Mas também ficou, presumivelmente, com créditos fiscais, nomeadamente valores de IVA, que deveriam ser devolvidos a contribuintes.
Ao pagar as multas por atrasos nos pagamentos em falta das empresas, foi possível que as lesadas tardassem em descobrir.

A funcionária assumiu, por escrito, ter desviado quase 35.000 só de uma família com vários ramos de actividade, a quem fazia contabilidade nas instalações, para além do serviço no escritório sem, aparentemente, o patrão saber.

Na altura, a mulher, apesar de assumir a prática delituosa, tentou demover os denunciantes avisando-os que seriam confrontados com exigências fiscais “no dobro” do que alegadamente teria desviado.

A defesa confrontou o ex-patrão para o facto do Técnico Oficial de Contas (TOC) que ali prestava serviço nunca ter detectado falhas no serviço de contabilidade organizada que a acusada tinha a seu cargo. “Quando passava ao final do dia, falavam e ela dizia que estava tudo bem”, argumentou o gerente da firma, justificando a contratação da antiga funcionária devido “a boas referências” que lhe chegaram ao conhecimento.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 175 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal