Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/12/2010 - TVI Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Falsa contabilista tem de devolver dinheiro senão vai para a prisão

Mulher foi condenada a três anos e oito meses de prisão de pena suspensa.

Uma mulher foi condenada pelo Tribunal de Pombal, esta quinta-feira, a três anos e oito meses de prisão de pena suspensa pela prática de crimes de falsificação agravada de documentos na forma continuada, furto, abuso de confiança e usurpação de funções.

Durante a leitura do acórdão, a juíza-presidente Maria João Velez adiantou que o tribunal deu como provados os factos constantes da acusação, na qual o Ministério Público considera que a arguida «agiu com intenção e propósito de se apropriar de coisa alheia que lhe tinha sido entregue», enquanto contabilista, como «obrigação de o entregar ao Estado».

A situação gerou problemas para os empresários lesados, que só se aperceberam da dimensão do crime quando foram notificados pelo fisco e segurança social para pagamento das dívidas que pensavam cumpridas.

De acordo com a juíza, a arguida terá três anos e oito meses para devolver o dinheiro que se apropriou. Caso contrário, será obrigada a cumprir a pena de prisão.

A contabilista de 34 anos, que nunca compareceu em tribunal, vai ainda ter de indemnizar alguns dos lesados em cerca de 17.100 euros.

A mulher era sócia, desde 2003, da empresa Fanelgest ¿ Contabilidade e Gestão, Lda., em conjunto com outras duas amigas.

Uma vez que não possuía habilitação para tal, no ano de 2006, convidou uma Técnica Oficial de Contas (TOC) para supervisionar a contabilidade de cerca de duas dezenas de empresas suas clientes e para a assumir perante o fisco.

A TOC acabou por assinar e colocar as suas vinhetas profissionais em declarações fiscais, passando a ser a responsável pela contabilidade das empresas.

No entanto, aquela profissional nunca chegou a prestar tal serviço, tendo sido informada pela arguida de que estaria desvinculada de tal obrigação.

A arguida apoderou-se indevidamente de dezenas de vinhetas pertencentes à TOC, utilizando-as em outros documentos contabilísticos, tendo também falsificado a assinatura daquela.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 135 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal