Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

08/12/2010 - Valor Econômico / Associated Press Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Hackers atacam sites em apoio ao WikiLeaks


LONDRES - Defensores do WikiLeaks se voltaram contra supostos inimigos do site e de seu fundador, Julian Assange, preso ontem na Inglaterra, lançando ataques de hackers contra a MasterCard, procuradores suecos, um advogado sueco e um grupo suíço que congelou a conta bancária de Assange.

Os chamados “hacktivistas” atuaram sob a marca "Operação Payback" reivindicando a autoria das invasões em uma mensagem no Twitter com o objetivo causar problemas tecnológicos para a MasterCard, que cancelou sua parceria com o WikiLeaks na terça-feira.

A MasterCard disse que estava "enfrentando o tráfego pesado", mas o porta-voz James Issokson disse à Associated Press que a empresa não confirmou se o WikiLeaks estava envolvido.

Issokson disse que a MasterCard estava tentando restaurar o serviço quarta-feira mas não tinha certeza de quanto tempo isso levaria. Segundo ele, os problemas técnicos do site não têm nenhum impacto sobre os consumidores que utilizam cartões de crédito.

A MasterCard é a última de uma série de empresas de internet norte-americanas - incluindo Visa, Amazon.com, PayPal e EveryDNS - a cortar laços com o WikiLeaks nos últimos dias em meio à intensa pressão do governo dos Estados Unidos. A Visa disse hoje que não estava enfrentando problemas.

Os ataques online são parte de uma onda de apoio ao WikiLeaks que está varrendo a internet. O Twitter foi inundado com mensagens de solidariedade ao grupo, enquanto a página do WikiLeaks no Facebook atingiu 1 milhão de fãs.

A organização está sob pressão em muitas frentes. Assange está em uma prisão britânica lutando contra a extradição para a Suécia por conta de um caso de crimes sexuais. Movimentos do Swiss Postfinance, da MasterCard e da PayPal e outros que cortaram maneiras de enviar doações para o grupo têm prejudicado a sua capacidade de levantar dinheiro.

Implacável, o WikiLeaks divulgou mais documentos confidenciais dos Estados Unidos durante a noite.

Per Hellqvist, especialista em segurança da empresa Symantec, disse que uma rede de ativistas online chamada Anonymous parecia estar por trás de muitos dos ataques. O grupo, que já se concentrou anteriormente na Igreja da Cientologia e na indústria da música, está tirando do ar sites hostis ao WikiLeaks.

O site do advogado sueco Claes Borgstrom, que representa as duas mulheres no centro da acusação de crimes sexuais contra Assange, estava inacessível nesta quarta-feira.

O braço financeiro do sistema portal da Suíça, o Postfinance, que bloqueou a conta de Assange na segunda-feira, também apresentava problemas.

Enquanto isso, Assange enfrenta uma nova audiência de extradição em Londres na próxima semana, na qual seus advogados disseram que vão solicitar uma nova fiança. O australiano de 39 anos nega as alegações de duas mulheres na Suécia, de estupro, assédio sexual e coerção ilegal, e está lutando contra sua extradição para a Suécia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 206 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal