Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

01/12/2010 - Gaz / Folha Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Teixeira é acusado pelo MP de lavagem de dinheiro

Por: Ari Resch


O presidente da CBF e do Comitê Organizador da Copa-14, Ricardo Teixeira, ainda enfrenta processo na Justiça brasileira por causa da Sanud, a empresa acusada de receber propinas da ISL.

O cartola foi denunciado pelo Ministério Público Federal do Rio em 7 de maio de 2008, acusado de lavagem de dinheiro, crime contra o sistema financeiro nacional e crime tributário. A ação foi acatada pela Justiça.

A defesa de Teixeira, que tenta trancar a ação desde o início, nega as acusações.

O processo corre na 6ª Vara Federal Criminal do Rio. Havia uma audiência marcada para a última sexta-feira, à qual Teixeira deveria comparecer. Mas a defesa conseguiu, com um recurso no Tribunal Federal da 2ª Região, a suspensão da audiência dois dias antes de sua realização.

A ação está parada até que seja julgado um pedido de habeas corpus, que pede seu trancamento -o julgamento será realizado na próxima terça, 7 de dezembro, no Rio.

O advogado de Teixeira, José Mauro Couto de Assis, alegou "inépcia da denúncia e falta de justa causa" para pedir o trancamento -o que Teixeira já obteve em outras ações oriundas da CPI do Futebol, em 2001, no Senado.

O relator do processo, André Fontes, votou pela continuidade do processo, mas foi vencido por Messod Azulay Neto e Liliane Roriz, que aceitaram o recurso da defesa.

A audiência foi suspensa no dia 24, menos de uma semana antes de a BBC, um jornal alemão e um jornal suíço publicarem que Teixeira recebeu propina da ISL, falida agência de marketing da Fifa, por meio da Sanud.

Registrada no paraíso fiscal de Liechtenstein, a Sanud teria recebido, segundo a imprensa europeia, US$ 9,5 milhões (R$ 16 milhões). Os pagamentos teriam ocorrido entre 1992 e 1997.

A CPI do Futebol apurou que a Sanud enviou R$ 2,9 milhões para Teixeira (por meio de uma empresa sua, a RLJ), entre 1995 e 1999. Para a CPI, o dinheiro seria "oriundo de paraíso fiscal e de propriedade desconhecida".

A denúncia do Ministério Público se baseia nesse relatório da CPI. A Sanud, acusa o procurador Marcelo de Figueiredo Freire, teria "o objetivo de reintroduzir na economia formal com aparência de legalidade recursos que [Ricardo Teixeira] mantinha ilegalmente no exterior".

A defesa de Teixeira afirma que o dirigente não é proprietário da Sanud.

Os balancetes da RLJ, analisados pela CPI, indicavam que os R$ 2,9 milhões recebidos da Sanud seriam empréstimos. Ainda segundo a CPI, a Sanud fechou em 1999 sem nunca ter recebido ou cobrado de volta esses valores.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 155 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal