Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

29/11/2010 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Promotoria investiga golpe de R$ 4 mi contra pelo menos 40 empresários

Por: Estelita Hass Carazzai


O Ministério Público Estadual de Santa Catarina está investigando um golpe milionário que teria feito pelo menos 40 empresários de todo o país perderem cerca de R$ 4 milhões em debêntures "frias", em troca de promessas de investimentos milionários.

Debêntures são títulos emitidos por empresas de capital aberto -quem compra se torna credor da empresa e seu investimento é retornado a médio ou longo prazo, com pagamento de juros.

A Justiça já emitiu mandado de prisão preventiva contra o suposto articulador do golpe, João Djalma Prestes Júnior, que está foragido, e outras quatro pessoas.

Uma delas, Genilton Vieira de Andrade, apontado como o "número dois" do esquema, está detida. Até agora, ninguém foi denunciado. Eles negam que o negócio seja fraudulento.

ESQUEMA

De acordo a Promotoria, os estelionatários se passavam por representantes de fundos de pensão que queriam investir em grandes empresas.

Para fechar o investimento (as promessas chegavam a R$ 20 milhões), os golpistas exigiam que os empresários fizessem, como garantia, a compra de debêntures.

Esses títulos, segundo o Ministério Público, eram comprados de uma corretora de fachada, também controlada pelos estelionatários.

Os promotores dizem que os golpes eram aplicados no Brasil inteiro há pelo menos um ano, por meio das empresas WZ Intermediação de Negócios e A&B Intermediação de Negócios -ambas em nome de laranjas, de acordo com as investigações.

Segundo a Promotoria, as empresas alugavam escritórios em endereços nobres de São Paulo, como a avenida Paulista e o Itaim Bibi, para causar boa impressão, mas mudavam constantemente de endereço para despistar os empresários lesados.

Até agora, as investigações, que começaram há cerca de 15 dias, revelaram que pelo menos 40 empresas de médio e grande porte foram lesadas, segundo a Promotoria, num montante de R$ 4 milhões. Estima-se, porém, que as fraudes sejam bem maiores.

Tanto Andrade quanto Prestes Júnior, os principais acusados do esquema, já haviam sido presos dois anos atrás no Paraná acusados de aplicar golpe semelhante.

Andrade foi condenado por estelionato e uso de documento falso, mas foi solto em dezembro passado para cumprir pena em regime aberto. Já Prestes Júnior ainda não foi julgado e responde ao processo em liberdade.

OUTRO LADO

O advogado dos dois principais acusados do esquema, Alexandre Loper, afirmou que os negócios de João Djalma Prestes Júnior e Genilton de Vieira Andrade não são fraudulentos.

Segundo Loper, ambos trabalham, de fato, com intermediação de negócios envolvendo fundos de capital privado, mas esse tipo de transação leva mais tempo para prosperar -daí a demora na confirmação dos investimentos realizados.

"Os próprios contratos preveem um período de 12 a 18 meses para ser concluída a transação. Isso não é feito de uma hora para outra", disse.

Segundo ele, Andrade e Prestes Júnior não têm corretora de fachada e apenas um dos contratos firmados utilizou debêntures como garantia. 'Se a empresa teve um prejuízo, basta revender [a debênture] e pegar o dinheiro de volta', afirmou.

Loper também disse que as empresas WZ e A&B Intermediação de Negócios estão no nome de terceiros "provavelmente por causa do Serasa", afirmando que a situação financeira de seus clientes é complicada. 'Se fosse fraude, eles não usariam o nome deles [nos contratos].'

Para Loper, há "muito exagero" nas afirmações do Ministério Público. O advogado disse que Prestes Júnior não irá se apresentar à Promotoria antes de ter acesso à investigação e que ele irá pedir a revogação da prisão de ambos os clientes.

Sobre o processo de dois anos atrás, em que Prestes Júnior é acusado de estelionato, o advogado afirmou que os fatos "não se confirmaram" e que ele deve ser absolvido.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 296 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal