Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/11/2010 - Correio do Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Quadrilha liderada por ex-major aplica golpe em fortuna de morto

Por: Nadyenka Castro e Fábio Dorta

Empresários, advogados, bancários e policiais militares foram presos por federais.

A Polícia Federal desmantelou ontem, com a Operação Vitruviano, uma quadrilha acusada de golpe milionário contra o espólio do milionário Olympio José Alves, falecido em 2005. Foram presas 19 pessoas, entre elas empresários, advogados, bancários e policiais militares. Acusado de lavagem de dinheiro e estelionato, o grupo era chefiado pelo ex-major da Polícia Militar Sérgio Roberto de Carvalho., já condenado por tráfico de drogas.

Dos 21 mandados de prisão temporária (cinco dias) expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande, 10 deles foram cumpridos na Capital, seis em Dourados e um em Caarapó. Entre os presos está Carvalho, que já estava na cadeia e recebeu nova voz de prisão, advogados e policiais militares. Segundo a PF, o grupo fraudou a herança do milionário, golpe esse que rendeu R$ 3,9 milhões, sendo que R$ 1 milhão, em espécie, foi sacado por Rogério Tomé, um dos presos.

A Operação Vitruviano é resultado de investigações que começaram em 2008 com objetivo de apurar a lavagem de dinheiro decorrente dos crimes de tráfico de drogas, contrabando e evasão de divisas praticados pelo grupo liderado por Carvalho.

Conforme a PF, com essa operação, a instituição praticamente encerra as investigações sobre lavagem de dinheiro referente à quadrilha comandada por Sérgio Carvalho. Ficou comprovado que entre 2002 e 2006 os criminosos movimentaram, através de empresas de fachada, mais de R$ 110 milhões.

Golpe

No decorrer dos trabalhos, os policiais descobriram o golpe contra a herança do milionário Olympio José Alves. De acordo com o delegado responsável pela operação, Edivaldo Bezerra de Oliveira, Sérgio Carvalho comprou legalmente uma usina de cana-de-açúcar por R$ 200 mil, mas não deixou o nome dele na empresa. O baixo preço era por conta das dívidas existentes. No entanto, antes mesmo de a usina pertencer a ele, a vendeu a Olympio, o qual já havia falecido.

Com documentos sobre a falsa transação comercial e comprovantes de endereço, o grupo de Carvalho procurou a Justiça, comarca de Anaurilândia, em Mato Grosso do Sul, alegando não ter recebido o dinheiro da venda. A quadrilha também utilizou uma procuração falsa, feita em um cartório do Paraná, dizendo que Olympio havia designado a pessoa de Eraldo, um dos investigados, como seu representante.

Na Justiça, a quadrilha pediu a execução do espólio. E, em julho de 2007, a juíza da comarca, na época, Margarida Elisabeth Weiler, deferiu o pedido e o grupo então recebeu R$ 3,9 milhões. "A execução foi em tempo recorde. Em questão de meses, em menos de um ano. Geralmente leva de três a seis anos", disse o delegado da PF.

Conforme o policial, o dinheiro foi dividido entre a quadrilha, sendo depositado em contas de pessoas físicas (laranjas) e jurídicas (locais de fachada como postos de combustíveis e financeiras), com a intenção de a fraude não ser descoberta pela polícia, em caso de investigação. "O dinheiro foi fracionado e dividido em contas de empresas e pessoas físicas", declarou Oliveira. "Uma empresa depositava uma quantia para a outra, que transferia para uma terceira e então era feito um saque", explicou o delegado. "Nós temos a planilha que mostra como funcionava".

Presos

Segundo o delegado responsável pela operação, os presos são laranjas e pessoas que sabiam do crime financeiro. Rogério Tomé, um dos presos, foi bancário por cerca de 20 anos e é apontado como um dos laranjas da quadrilha de Carvalho. Ele sacou R$ 1 milhão em espécie em uma agência bancária de Campo Grande.

Na Capital, além de Rogério, foram presos dois advogados e o sargento da PM José Luís Gimenez, localizado na casa dele. Em Dourados foram à cadeia o advogado Luís Carlos Fernandes de Matos Filho e Paulo Francisco, dono de um posto de combustíveis. Outros quatro moradores do município, entre eles o dono de garagem Sales Bezerra e um gerente de uma agência do Bradesco, foram levados à PF para prestar depoimento e, se houver entendimento da autoridade policial, podem ser soltos após a oitiva. Em Caarapó foi preso o proprietário de uma revenda de veículos, Honofre Pereira de Matos. Todos foram indiciados pelos crimes de lavagem de dinheiro, estelionato e formação de quadrilha.

Também foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão.

Vitruviano

O nome da operação da PF faz alusão à "perfeição" da atuação da quadrilha, em todos os "segmentos" que atuava, com objetivo de enganar a polícia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 267 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal