Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

15/11/2010 - Diário de Notícias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraudes por 'pishing' estão a aumentar

Existe um grande número de formas de fraude a acontecer. A maior dificuldade está em provar de quem foi a culpa.

Fonte da PJ diz que, embora a situação mais recorrente neste tipo de fraude seja o pishing, "existindo sempre um elo de ligação entre o utilizador e o acesso ao banco online", também pode acontecer que "o computador esteja infectado com um vírus, permitindo o acesso à conta". E há cada vez mais queixas destas na polícia de clientes que foram extorquidos através da Net.

Carla Oliveira acrescenta que "existe uma multiplicidade de formas da fraude acontecer. Os hackers (piratas informáticos) têm habilidades técnicas e conseguem entrar em qualquer sistema". E estão sempre a actualizar-se face aos mecanismos de segurança que vão sendo introduzidos.

A situação é admitida pelo próprio Montepio, referindo que o mesmo se passa em relação às outras instituições financeiras. E "têm vindo a registar um número crescente de ocorrências de phishing às quais respondem através de um conjunto de acções de prevenção e alerta com o objectivo de consciencializar os utilizadores relativamente a boas práticas de segurança na utilização da Internet".

Mas há sistemas de segurança mais evoluídos que outros. Por exemplo, há entidades bancárias que utilizam o cartão-matriz e substituem-no automaticamente quando são utilizadas todas as combinações, para assim evitar cópias.

O cartão-matriz do Montepio tem a validade de dois anos, "havendo a possibilidade de reno- vação antecipada, mediante a emissão de novo cartão no estado pré-activo caso se verifique o esgotamento de uma percentagem elevada das combinações de coordenadas possíveis."

A dificuldade está em provar de quem foi a culpa. A clonagem de cartões é mais fácil de provar e, em regra, as instituições repõem os montantes retirados com essas cópias.

Carla Oliveira lembra que cabe ao banco provar que o cliente foi negligente e facultou os códigos. Francisco Quina não admite essa hipótese e mudou de banco.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 144 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal