Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

12/11/2010 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Banco deixou de pagar CDBs em 2008

Por: Leandro Modé

Panamericano enfrenta dificuldades há muito tempo e teve de atuar em negócios de alto risco.

SÃO PAULO - No fim de 2008, quando o Brasil sofria os efeitos mais intensos da crise financeira internacional, o banco Panamericano chegou a suspender resgates de Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) de grandes clientes. A atitude, claro, irritou os detentores dos títulos, que queriam ver seu dinheiro na mão e não conseguiram. Por isso, o banco deixou de ser opção de investimento para várias entidades do mercado, como fundos de pensão.

Ainda que o problema tenha ocorrido em meio à pior crise global desde 1930, deixa em evidência que as dificuldades do Panamericano começaram lá atrás – e independem das fraudes contábeis descobertas recentemente pelo Banco Central (BC).

Por trás dessas dificuldades, explica um analista que pede para não ser identificado, está a opção do banco em se especializar numa área com altíssimos índices de calote: financiamento de automóveis usados.

Em junho deste ano, os empréstimos para automóveis em geral representavam 63% da carteira de crédito de R$ 9,3 bilhões. A maior parte era de automóveis usados, pois o banco só começou a financiar carro zero quilômetro em 2009.

Para se ter uma ideia de como esse negócio passou a ser malvisto a partir de 2008, os grandes bancos praticamente desistiram desse segmento. O raciocínio que embasou a decisão é simples: a garantia do empréstimo (automóvel usado) se deteriora rapidamente. Como a inadimplência é elevada, o bem, quando recuperado, não cobria o buraco. Era prejuízo na certa.

No segundo trimestre deste ano, o BC pediu para o Panamericano reforçar as provisões contra calotes duvidosos em R$ 120 milhões (o total acabou subindo para R$ 577 milhões, o equivalente a pouco mais de 6% da carteira de crédito, porcentual pequeno se comparado ao de instituições de grande porte).

A estratégia errada, somada às fraudes contábeis, derrubou o banco, a despeito de dois aportes relevantes realizados nos últimos anos – R$ 777 milhões na abertura de capital (IPO), feita no fim de 2007, e mais R$ 739 milhões obtidos na venda de 49% do capital votante para a Caixa Econômica Federal, em novembro do ano passado.

Comando

A diretoria que esteve à frente do Panamericano em todo esse tempo era liderada por Rafael Palladino (diretor superintendente) e Wilson Roberto de Aro (diretor financeiro e de relações com investidores).

Foram os dois, por exemplo, que comandaram o processo de IPO (abertura de capital na bolsa). Visitaram investidores no Brasil e em outros países para vender o banco. Segundo uma pessoa que acompanhou o processo, eram duros de negócio. Não falavam inglês e "não eram sofisticados".

Formado em educação física e ex-personal trainer, Palladino é primo de Íris Abravanel. Roberto de Aro é administrador de empresas e começou a trabalhar no Grupo Silvio Santos em 1974. Praticante de tênis, mora em um luxuoso apartamento nos Jardins, bairro nobre de São Paulo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 144 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal