Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

04/11/2010 - Agência RBS / Diário Gaucho Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Vigarista passa a perna em desempregados

Por: Mariana Mondini

Falso engenheiro enganou pessoas que estavam atrás de emprego, um hotel, uma locadora de veículos e uma policlínica. Golpista tem ficha grande.

Um falso empresário enganou cerca de 20 pessoas em Esteio, em menos de uma semana. Apresentando-se como engenheiro e empresário do ramo da terraplenagem, Fabiano Aurélio de Oliveira Adami, 38 anos, chegou a lucrar mais de R$ 15 mil na cidade entre dinheiro pedido emprestado e dívidas não pagas.

Ontem, o delegado Leonel Baldasso, da DP de Esteio, pediu a prisão preventiva dele.

- Indiciamentos em quatro cidades

Fabiano já foi indiciado por estelionato em quatro cidades do Estado, desde 2000.

Natural de Caxias do Sul, o vigarista teria chegado em Esteio em 21 de outubro. Em um hotel no Centro, disse estar abrindo a filial de uma empresa.

– Ele chegou à noite. No outro dia, quando eu cheguei, ele se identificou como supervisor de uma empresa de Curitiba, que abriria filial aqui – contou uma das sócias do hotel, de 50 anos.

- “Ele é muito inteligente”

O suspeito, então, começou a recrutar empregados para a suposta empresa. Além disso, alugou veículos e providenciou exames médicos de admissão em uma policlínica. Ainda pediu os celulares de quatro das vítimas para instalar um sistema de rádio nos aparelhos.

– Ele pediu para organizar espaço para hospedar 40 funcionários. O rapaz tem uma ótima conversa, é inteligente, organizado, respeitador. Sabe de tudo de refinaria – relatou a dona do hotel.

- Fuga aconteceu no últmo dia 27

Pressionado pela proprietária do hotel a mostrar a documentação da empresa, Fabiano fugiu no último dia 27, dando prejuízo ao hotel, aos empregados recrutados, à policlínica e à locadora de automóveis.

– Chama atenção a ficha enorme de antecedentes, sempre enganando as pessoas. Tem o dom de ludibriar, faz isso desde 2000 – destacou o delegado Leonel.

- Ele levou a esperança”

Elisandra Pinto de Oliveira, 25 anos, foi a vítima que mais teve prejuízo. Natural de Candiota, no Sudoeste do Estado, ela veio para Capital para juntar dinheiro e mudar de vida.

Diário – Como você conheceu ele?

Elisandra – Fui apresentada a ele na policlínica. Eu estava fazendo os exames para sair da Refap. Aí, me chamou para trabalhar com ele.

Diário – Qual seria a sua função na empresa?

Elisandra – Eu ajudaria no recrutamento.

Diário – Qual foi o seu prejuízo?

Elisandra – Na quarta-feira (dia 27 de outubro), ele me pediu R$ 3,5 mil emprestado para pagar um suposto suborno. Ele ainda ia comprar notebooks (computador portátil) para os funcionários e disse que incluiria o meu. Então, pediu mais R$ 700. No dia, íamos para Curitiba para um treinamento. Gastei mais R$ 400 com a passagem. Foi um prejuízo de R$ 4,6 mil. Ah, ele ainda pegou meu celular.

Diário – Você nunca desconfiou?

Elisandra – Jamais ia imaginar que o gerente de uma empresa ia dar um golpe de R$ 5 mil. Ele não deixava a gente pensar. Era para todo mundo fazer tudo correndo. Agora, quando eu parei para pensar, vi que tinha muita coisa errada.

Diário – E agora, o que vai fazer?

Elisandra – Sei que não vou recuperar o meu dinheiro, mas que ele vai pagar. Ah, vai! Ele não levou só o meu dinheiro, levou a esperança, os sonhos, é muita decepção.

PARA ENTENDER

- De acordo com o delegado Leonel Baldasso, Fabiano aplica golpes no Estado desde 2000.
- Já atuou em cidades como Porto Alegre, Tramandaí e Santo Antônio da Patrulha, no Litoral Norte, e Salvador do Sul, no Vale do Caí.
- A DP de Esteio ainda não teve acesso aos inquéritos anteriores e não sabe que tipo de golpe foi aplicado nessas cidades.
- Persuasivo e bem informado, desta vez, ele se disse engenheiro encarregado de montar uma equipe para trabalhar na manutenção dos tanques da Refap.
- Por meio do boca a boca, foi recrutando pessoas para sua suposta empresa na cidade.
- Sempre falando ao celular, para evitar ser interrompido ou questionado pelas pessoas com quem conversava, reservou 40 camas em um hotel para hospedar os funcionários, providenciou exames admissionais e locou três veículos (dois Fox e uma van).
- Pediu os celulares dos recrutados alegando que instalaria um sistema de rádio nos aparelhos para diminuir o custo.
- Além disso, pediu dinheiro emprestado para uma empregada para acertar trâmites de licitações.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 325 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal