Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/10/2010 - EPTV.com Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Todas as diligências tiveram o aval da Justiça, diz MP

Ministério Público recebeu críticas com relação à conduta nas investigações.

O promotor do Ministério Público, Amauri Silveira Filho, recebeu críticas sobre a conduta nas investigações de fraude em licitações. O advogado da Sanasa, José Luis de Oliveira Lima alegou que o promotor divulgou na imprensa um possível envolvimento da empresa e que só pediu esclarecimentos 11 dias depois. O promotor José Cláudio Tadeu Baglio disse que as críticas não abalam o objetivo do MP em defender o interesse público e que todas as diligências tiveram o aval da Justiça.

Lima informou que vai entrar com uma representação na Corregedoria Nacional do Ministério Público contra o promotor do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) Amauri Silveira Filho. Ele ainda teria dificultado o acesso da Sanasa às informações do inquérito.

A Sanasa nega o envolvimento de funcionários nos esquema de fraudes em licitações denunciado pelo Ministério Público em setembro. A empresa instaurou uma sindicância interna para apurar irregularidades nos contratos e divulgou o resultado nesta segunda-feira (18). A empresa afirmou que não vai romper os contratos com a IMA (Informática de Municípios Associados) e Infratec (responsável pela segurança), que chegam a R$ 11,8 milhões.

A IMA, responsável pelo setor de informática da Prefeitura de Campinas, também negou irregularidades na licitação e na contratação da Infratec, que vai até a semana que vem. Uma nova empresa de segurança vai assumir as funções.

De acordo com as investigações, os promotores descobriram que José Carlos Cepera, dono da IMA e Infratec, manteria mais cinco empresas. No esquema, os lobistas Maurício de Paulo Manduca e Emerson Geraldo de Oliveira pagavam propina a políticos e funcionários públicos. Desta forma, garantiam que as firmas que eles formavam vencessem as licitações. Eles também firmavam acordos com outras empresas para combinar preços e dividir os lucros.

O relatório da sindicância tem 20 mil páginas e foi entregue nesta segunda para a CPI da Câmara de Vereadores de Campinas e para a prefeitura. Nenhum contrato com as empresas que estariam em nome de laranjas, citadas no relatório do MP, será rompido.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 235 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal