Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/10/2010 - SwissInfo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

FIFA apura caso de corrupção


A FIFA abriu um inquérito interno para averiguar as acusações de corrupção feitas pelo jornal inglês “Sunday Times” de domingo (17).

O jornal afirma que representantes da organização sediada em Zurique teriam proposto trocar apoio por dinheiro na votação dos países candidatos à organização da Copa do Mundo de 2018.

"Absolutamente íntegro"

Segundo o jornal, Amos Adamu, membro nigeriano do comitê executivo, teria exigido 750 mil dólares para apoiar uma candidatura. Filmado quando falava com os jornalistas que se fizeram passar por lobistas de um consórcio americano, Adamu garantiu que iria votar pela candidatura dos Estados Unidos em troca da quantia.

Vice-presidente da FIFA e presidente da confederação da Oceania, Reynald Temarii, teria pedido mais de 2 milhões de dólares para a construção de uma academia de futebol em Auckland, afirmando que dois outros candidatos à organização da Copa já teriam oferecido dinheiro à Oceania para obter seu voto. Reynald Temarii já declarou ser “absolutamente íntegro” e deve ser audicionado pela comissão ética da FIFA na quarta-feira.

Em um comunicado à imprensa feito no domingo, a FIFA declarou que já teria pedido ao “Sunday Times” todos os dados usados na publicação do artigo para fazer sua própria averiguação. “A FIFA e sua comissão ética examinam atenciosamente o procedimento das candidaturas para 2018 e 2022 e ela continuará agindo dessa maneira”, comentou ainda a federação.

Os países organizadores da Copa do Mundo de 2018 e de 2022 serão designados pela FIFA no dia 2 de dezembro. Os Estados Unidos já renunciaram à candidatura para 2018, se concentrando na de 2022. Inglaterra, Bélgica, Holanda, Espanha, Portugal e Rússia são candidatos para organizar a Copa de 2018. Para a de 2022, além dos Estados Unidos, também se candidataram Austrália, Coreia do Sul, Japão e Qatar.

"Situação muito desagradável"

O presidente da FIFA, o suíço Sepp Blatter, falou domingo de uma “situação muito desagradável” após a abertura do inquérito.

“Lamento ter que informá-los de uma situação muito desagradável, que diz respeito a um artigo publicado hoje (domingo) no Sunday Times, entitulado “Copa do Mundo: votos à venda”, escreveu Blatter em correspondência aos membros do comitê executivo da FIFA, publicado no site da instância.

Blatter também disse que o artigo teve um “impacto muito negativo sobre a FIFA e as candidatura para as Copas do Mundo de 2018 e 2022”, confirmando que uma “profunda” averiguação já estaria em andamento.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 133 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal