Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

11/06/2007 - ComputerWorld Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Revisão da Sarbanes-Oxley está a caminho


Autoridades reguladoras norte-americanas estão se preparando para revisar elementos-chave da lei Sarbanes-Oxley para determinar se partes da legislação devem ser flexibilizadas para facilitar o cumprimento por parte das companhias.

Em 24 de maio, o grupo de apoio contábil PCAOB – Public Company Accounting Oversight Board –, realizou uma reunião em Washington para votar uma série de tópicos, incluindo várias questões sobre a legislação, aprovada inicialmente em 2002 para combater fraudes financeiras. Na semana passada, a Securities and Exchange Commission (SEC), por sua vez, votou de forma alinhada para reformar e uniformizar as guias impostas a companhias abertas que devem cumprir a seção 404 da Sarbox.

Com as novas diretrizes adotadas, a SEC modificou a avaliação de controles internos sobre relatórios financeiros – o que leva a sigla ICFR em inglês –, e também na auditoria relacionada ao procedimento. No entanto, o órgão se recusou a ampliar o prazo de adequação de companhias de menor porte. Um dia depois, o PCAOB adotou o novo padrão de auditoria número cinco e rescindiu o padrão número dois, de praxe para a governança das empresas.

As novas diretrizes fornecem às companhias abertas pela primeira vez instruções sobre a seção 404 da Sarbox. Da mesma forma, o PCAOB aprimorou a explicação das diretrizes para os auditores, ao mesmo tempo em que as adequou às novas regras da SEC.

Para as próximas semanas ainda estão previstas novas revisões sobre as mudanças propostas na lei Sarbanes-Oxley. Entre as alterações propostas a serem consideradas pela SEC está a possibilidade de mudar as regras que exijam revisão nos controles antifraude em cada organização, um dos mais controversos elementos da regulamentação em virtude do tempo e dos testes frequentemente demandados.

“Nos últimos dois anos, o conselho ouviu mensagens consistentes de que cumprir com provisões internas para a Sarbanes-Oxley exige um grande esforço. Além disso, esse cumprimento resultou em custos mais altos do que aqueles esperados na maioria dos casos. O conselho acredita que os auditores deveriam executar auditorias internas da forma mais eficiente possível para garantir o melhor relatório interno de uma vez”, diz o grupo.

Mesmo os gastos de cumprir as normas permanecendo alto, uma pesquisa indica que as companhias abertas gastaram 23% menos para seguir a legislação do que aquilo que precisaram custear em 2005, segundo um relatório da consultoria Financial Executives International.
Com base em grupos de testes com 200 empresas, os custos com o cumprimento dessas normas atingiram uma média de 2,92 milhões de dólares em 2006, em comparação com 3,8 milhões de dólares em 2005.

“A queda pode ser amplamente atribuída ao crescimento das eficiências, uma curva positiva de aprendizado e ao uso de sistemas técnicos e software”, comentou o presidente da consultoria, Michael Cangemi. “Embora ainda exista muito trabalho a ser feito, já percorremos um longo caminho”.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 405 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal