Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/06/2007 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

DF: empresa tenta aplicar golpe do falso emprego


Uma oportunidade de encher os olhos. Rafael Abreu havia colocado o currículo na internet, em uma famosa agência de empregos. Um tempo depois, recebeu a ligação de uma outra agência de recolocação profissional, que ofereceu o cargo de gerente em uma grande empresa de telefonia. A proposta era tentadora. A polícia aconselha: é bom ter cuidado redobrado ao colocar dados na internet e desconfiar de telefonemas estranhos. Esse tipo de golpe é crime.

"Eles me ofereceram uma vaga com o salário elevado, para o padrão do mercado, de R$ 8,5 mil, mais benefícios de vale-transporte, alimentação, refeição, auxílio-moradia, computador e telefone empresarial. Eles falavam muito sobre a vaga, mas não se referiam de que empresa se tratava. E ainda tinha também plano de previdência privada e plano de saúde", conta o analista de sistemas Rafael Abreu.

Ele ficou empolgado com a oportunidade, mas começou a desconfiar quando a empresa cobrou R$ 1,2 mil para fazer exames psicológicos. Os cheques deveriam ser enviados pelo Correios.

"Eu achei esquisito. Nunca tinha visto uma empresa, que está contratando uma pessoa, cobrar do candidato o texto. Uma vez que é de interesse da empresa contratar o melhor candidato, e não o que tem dinheiro para bancar um teste", diz o analista de sistemas.

A suposta empresa de recolocação profissional agiu bem rápido. No mesmo dia do telefonema, Rafael recebeu, por e-mail, o que seria o contrato de trabalho. Com ele, veio a certeza de que tudo aquilo não passava de um golpe.

'Fadado ao fracasso'

O contrato estava mal escrito, tinha muitos erros de português. E ainda não garantia a vaga, como havia sido prometido por telefone. Rafael, então, pesquisou o site da empresa, e aparecia um endereço em São José dos Campos, no interior de São Paulo. O analista de sistemas resolveu ligar para amigos que moram na cidade e descobriu a fama de "empresa picareta". Ao não devolver o contrato assinado, nem mandar os cheques, Rafael foi procurado mais uma vez, por uma funcionária irritada.

"Eu disse que não tinha gostado do contrato, que tinha vários termos que não me agradavam. A mulher que me ligou começou a dizer que eu não tinha o perfil da vaga, já que eu era uma pessoa pouco empreendedora, pouco dinâmica e que eles buscavam profissionais que tinham coragem de ariscar e vontade de crescer. Ela ainda disse que eu estava fadado ao fracasso. Mas o arriscar para eles era cair no golpe. Eu tive foi sorte de ser o profissional que eles não queriam", afirma Rafael.

"A internet é uma ferramenta muito útil. Mas ela também pode oferecer os dados dos usuários para os estelionatários. Esses crimes são de estelionato e a pena é de um a cinco anos de reclusão", explica a delegada Vera Lúcia Silva.

Para a polícia, é importante que as pessoas registrem esses tipos de golpes na delegacia mais próxima.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 339 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal