Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

28/09/2010 - Extra Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Três policiais civis são presos por clonar cartões e vazar informações


Três policiais civis foram presos, na manhã desta segunda-feira, na Operação Traidor, feita pela corregedoria da instituição, com o apoio da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), para prender integrantes de uma quadrilha especializada em clonar cartões em caixas eletrônicos. As investigações, no entanto, foram além e apontaram que dois dos detidos ainda atuavam como informantes de bandidos do Complexo do Alemão. Em gravações feitas com autorização da Justiça, um deles chega a se referir à mulher do chefe do tráfico local como “patroa”.

O chefe de Polícia Civil, delegado Allan Turnowski, demonstrou indignação com as ligações dos policiais com traficantes. As investigações apontaram que os inspetores Marcos Gomes da Silva e Ricardo Perrota de Carvalho teriam passado, em troca de propina, informações sobre operações no Complexo do Alemão de delegacias especializadas a bandidos da comunidade. Ambos eram lotados, à época, na Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA).

As gravações feitas com autorização da Justiça indicam a proximidade dos policiais com os criminosos do Alemão. Uma mulher, identificada como Michele, que seria mulher de Luciano Martiniano da Silva, o Pezão, chefe do tráfico local, é chamada por um dos inspetores de “patroa”. As investigações indicam ainda que ela chegou a ser transportada num carro da DRFA para deixar a favela em segurança, durante uma ação policial.

A operação surgiu a partir de investigações da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD) sobre clonagem de cartões da SuperVia. Quando escutas revelaram a participação de policiais no esquema, dando segurança ao bando, a corregedoria assumiu o caso. Segundo a polícia, os criminosos instalavam microcâmeras nos caixas para obter as senhas. A estimativa é de que o faturamento fosse de R$ 700 mil por mês.

Terceiro policial civil suspeito de integrar o bando, Jorge Luiz Dias da Silva, lotado na 73ª DP (Neves), foi liberado após depoimento. Ele é candidato a deputado estadual, pelo PCdoB e, pela Lei Eleitoral, não pode ser preso até 15 dias antes do pleito.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 273 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal