Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

28/09/2010 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Candidato acusado de fraude é preso e liberado no Rio

Por: Gabriela Moreira


Acusado de integrar uma quadrilha de clonagem de cartões bancários, o candidato a deputado estadual pelo Rio de Janeiro Jorge Luiz da Silva Dias, o Jorginho Dias (PCdoB), foi preso e liberado, ontem, numa operação realizada pela Polícia Civil. Ele, que é agente da corporação, não teve a prisão cumprida em atendimento à Lei Eleitoral, que estabelece que candidatos não sejam presos a partir de 15 dias anteriores às eleições e até 48 horas após o término da votação - a exceção ocorre para prisões em flagrante e crimes inafiançáveis.

De acordo com as investigações da Operação Traidor, Jorginho Dias era um dos integrantes de uma quadrilha que tinha ainda outros dois policiais civis. "Conversei com o policial e ele negou participação na quadrilha. Disse que se trata de um homônimo, mas, de qualquer forma, determinei que ele se apresente à Corregedoria no próprio domingo para que seja cumprido o mandado de prisão", disse o delegado responsável pela delegacia em que Jorginho é lotado, a 73ª Delegacia de Polícia (DP) (Neves), Luiz Antonio Ferreira.

O policial não retornou aos recados deixados no partido, na delegacia e com seus advogados. O advogado Gustavo Dias da Paixão, que representa o PCdoB, também não quis comentar o caso.

A candidatura de Jorginho foi indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por falta de documentos. Ontem, recurso contestando o indeferimento foi arquivado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nas certidões apresentadas à Corte, constam contra o candidato um processo arquivado por uso ou posse de drogas da antiga Lei 6.368/98 e outros dois processos, sem condenação, por uso de documento falso e roubo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 169 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal