Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

27/09/2010 - Sol Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Congelados 17,2 milhões por suspeita de lavagem de dinheiro

Por: Tânia Ferreira


O Ministério Público (MP) está a detectar cada vez mais casos de branqueamento de capitais através de operações bancárias. O SOL apurou que, só nos primeiros sete meses do ano, o MP travou 16 transacções por suspeita de crimes, num montante próximo dos 17,2 milhões de euros. Estes valores são superiores aos de todo o ano passado, quando foram registados 15 casos de suspensões, num total de 14,7 milhões de euros.
A burla informática é o crime mais associado à lavagem de dinheiro que envolve transacções bancárias, representando mais de metade dos casos. Segundo os dados mais recentes do DCIAP - Departamento Central de Investigação e Acção Penal, a que o SOL teve acesso, no primeiro semestre de 2010 foram detectados oito crimes deste tipo, contra sete nos 12 meses de 2009.

As decisões do MP - validadas depois por um juiz de instrução - resultam, na maioria dos casos, de denuncias feitas pelos próprios bancos em que os alegados criminosos pretendem realizar as operações.

DCIAP fez 674 investigações

Na sequência do recebimento das comunicações de operações suspeitas, o DCIAP iniciou 674 investigações no primeiro semestre (970 em todo o ano de 2009). Mas apenas 55 prosseguiram para inquéritos em curso e outros 14 deram origem a novos.

O DCIAP tem também em curso investigações em que o branqueamento de capitais não é o crime principal. Até Junho, a Procuradoria-Geral da República instaurou 64 inquéritos a nível nacional e aqui foram a fraude fiscal e a burla tributária que se destacaram como os principais crimes - seguidos da burla informática.

A lavagem de dinheiro, ou branqueamento de capitais, tem a ver com práticas económico-financeiras que visam dissimular ou esconder a origem ilícita de determinados activos financeiros ou bens patrimoniais. O objectivo é que tais activos aparentem uma origem lícita ou que, pelo menos, a origem ilícita seja difícil de provar.

Em Portugal, o maior caso conhecido de branqueamento de capitais é a 'Operação Furacão', com centenas de arguidos. Este mega-processo envolve centenas de empresas com a suspeita de terem colocado fora de Portugal milhões de euros por intermédio de bancos e outras instituições financeiras, através de esquemas de facturação falsa.

Além disso, foram detectados mais de 200 milhões de impostos não pagos nos últimos anos, numa rede de empresas que passava pelos maiores bancos até pequenas unidades fabris.

Outro caso famoso foi o do ex-jornalista Artur Albarran, que foi detido, em 2005, no âmbito de uma investigação à empresa Euroamer, de que era administrador.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 178 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal