Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

23/09/2010 - Jornal Pequeno Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Concessionária paga pela inclusão de nome de vítima de fraude no Serasa


Instituição financeira e concessionária de veículos são responsáveis por conferir a veracidade de dados apresentados pelo consumidor no caso de opção pela compra financiada de automóvel. O entendimento foi usado na terça-feira, 21, em julgamento de recurso de revendedora contra decisão de primeira instância, que determinou o pagamento de indenização por danos morais a consumidor.

O Unibanco e a empresa Dalcar foram condenados pela 4ª Vara Cível da capital, em junho de 2005, a pagar R$ 20 mil, cada um, a uma professora que teve seu nome indevidamente incluído no Serasa. A decisão dos desembargadores, unânime, entretanto, atendeu ao pedido de diminuição da indenização a ser paga pela concessionária, reduzida para R$ 7 mil. Já o banco, pagou a indenização mediante acordo com a cliente.

De acordo com os autos, a professora teve seu nome e CPF usados por uma pessoa que comprou um carro na concessionária, por meio de financiamento junto ao banco. Moradora do povoado de Centro do Meio, no município de Icatu, a também lavradora descobriu que fora vítima de fraude quando uma agência bancária lhe negou um empréstimo de R$ 500,00, dinheiro que seria usado para comprar um burro. Ela foi informada de que seu nome constava em cadastro de proteção ao crédito por causa de uma dívida de R$ 437,61, referente a uma parcela de financiamento no Unibanco, que lançou seu nome no cadastro.

Ao exigir explicação em uma agência da instituição financeira, ela foi informada de que constavam em seus dados o financiamento, com a prestação em atraso. A professora solicitou cópia do contrato e descobriu que seu nome e CPF haviam sido usados para aquisição de um carro, no valor de R$ 13.990,00. A professora argumentou que a assinatura não era sua e que tinha um ganho líquido mensal de R$ 454,92, enquanto a renda declarada no contrato era de R$ 2.340,00.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 160 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal