Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

21/09/2010 - Correio Braziliense Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Investidores recorrem à CVM para reclamar das instituições financeiras

Por: Vera Batista


As queixas dos investidores começam a ganhar força na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão regulador do mercado de ações. A instituição divulgou pela primeira vez o Boletim Semestral de Atendimento ao Público, que revela as empresas que mais falharam com os clientes. No primeiro semestre de 2010, a CVM recebeu 28.932 reclamações e para 457 delas abriu processos. Causaram maior incômodo as dificuldades em operações com homebroker (negociação de ações via internet) e as falhas na execução de ordens.

Em 35,73% dos casos, as críticas foram sobre os serviços prestados por instituições financeiras, que envolveram falhas graves, como operações realizadas sem o consentimento do investidor. Insatisfações relativas a fundos de investimentos aparecem em segundo lugar, com 15,17% do total, e apontam dúvidas sobre rentabilidade e dificuldades na localização dos saldos. Os investidores discordaram, também, dos procedimentos do controlador ou dos administradores de companhias e não aceitaram a demora na transferência de ativos entre instituições.

O superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores da CVM, José Alexandre Vasco, alertou quanto ao item ofertas irregulares, que representa 5,14% das reclamações, mas evoluíram cerca de 20% de 2008 para cá. “São atuações de pessoas não autorizadas, das quais não temos controle”. No site da CVM (www.cvm.org.br), o investidor deve verificar as empresas e profissionais autorizados a operar no mercado para evitar que a quantidade de fraudes cresça.

No topo da lista das 10 instituições financeiras mais criticadas está a TOV CCTVM Ltda., com o maior número de processos (9,25%). Em comunicado, a empresa informou ser a que mais cresceu em 2008, e uma das que mais se expande até hoje.

“Portanto, o número de 36 reclamações no período de seis meses não representa a qualidade de nossos serviços, avaliado como bom ou muito bom por 83% dos nossos investidores”.

Em seguida está o Banco do Brasil (8,48%) que, após uma série de cálculos, destaca que fechou o semestre com 54 milhões de clientes, portanto, “proporcionalmente, o número de ocorrências está em um patamar baixo”.

Em terceiro lugar vem o Bradesco (7,46%). Também em nota enviada ao Correio, o banco destacou que “boa parte dos questionamentos se refere a posições antigas de investidores dos Fundos 157, que normalmente demandam tempo maior para pesquisas e informação ao cotista”.

A seguir, aparecem Itaú Unibanco (4,88%), Santander no Brasil (4,11%), Senso S/A (3,34%), Ágora S/A (3,08%), Um Investimentos S/A CTVM (2,57%), BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM S/A (2,31%) e, por fim, Banif (2,31%).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 174 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal