Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

13/09/2010 - Jornal Floripa Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Mentir no currículo e na entrevista pode prejudicar candidato a emprego

Especialista diz que informações falsas são usadas comumente, mas elas só servem para prejudicar quem se candidata a uma vaga.

Todo mundo sabe que não se deve mentir. Mas tem muita gente por aí que admite: na hora de tentar um emprego apela, inventa que fez cursos, sabe idiomas, aumenta o tempo de experiência.

Mas incluir no currículo mentiras para garantir uma vaga no mercado de trabalho pode virar crime e dar até cadeia. Um projeto de lei está em discussão na Câmara dos Deputados, em Brasília, para punir os profissionais mentirosos.

O ponto de partida para uma pessoa se candidatar a um emprego é o currículo. Lá estão as informações pessoais, a formação escolar e profissional. Um currículo claro e objetivo sempre ajuda na seleção.

O problema é quando o candidato resolve enfeitar o currículo com algumas mentirinhas. O domínio de um idioma, um curso de informática, maior tempo de experiência do que realmente tem. E a mentira no currículo é bem maior do que a gente imaginava. Numa pesquisa feita pela reportagem, a maior parte das pessoas afirma ter escrito mentiras em seus currículos.

O posto de atendimento do Sistema Nacional de Emprego (Sine) no Centro do Rio atende a mais de mil pessoas por semana e encaminha em torno de 600 para vagas de empregos variados. De acordo com os funcionários, 30% dos entrevistados exageram na hora especificar as qualificações. Um problema que acaba prejudicando todo o sistema”, conta a chefe do posto de atendimento do Sine,Claudete Josephino.

Um projeto de lei ainda em tramitação na Câmara Federal pretende tornar crime de falsidade a mentira nos currículos, com pena de dois meses a dois anos de prisão.

A diretora de Recursos Humanos Jacqueline Resch diz que a prática de turbinar o currículo é mais frequente quando os profissionais são jovens em início de carreira. Mas a cultura da mentira acaba por prejudicar os próprios candidatos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 171 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal