Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/09/2010 - Correio Braziliense / Estado de Minas Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia prende quadrilha paulista que aplicava golpes em Minas


Estelionatários paulistas que agiam em Belo Horizonte usavam o nome da Corregedoria de Justiça de Minas para aplicar golpes, dando prejuízo de cerca de meio milhão de reais a empresas devedoras de títulos levados a protesto. Seis suspeitos foram presos e outros dois são procurados. As investigações da Delegacia de Investigação de Fraude começaram em janeiro e havia ligação dos criminosos com outra quadrilha especializada em fabricar talões de cheque em nome de terceiros, para depósitos em contas bancárias de "laranjas".

De acordo com o delegado Denilson dos Reis Gomes, em janeiro a Procuradoria de Justiça de Minas o procurou para investigar o golpe em que estelionatários usavam o nome da instituição, se passando por funcionários de cartórios de protesto de Belo Horizonte. "Eles abordavam devedores de títulos que foram levados a protesto, passando-se por funcionários do Cartório Centralizado de Cobrança, que não existe. Avisavam os devedores que o título estava lá para ser protestado até ao meio-dia. A vítima já sabia que o título tinha sido levado a protesto. No desespero, quitava o valor. Para isso, os golpistas solicitavam um endereço de e-mail para enviar o formulário autorizando o pagamento, com o nome da Corregedoria de Justiça, inclusive, com o brasão da República", conta o delegado.

Os dados dos títulos de cobrança eram verdadeiros, extraídos de publicações em jornais notificando devedores. "Eles assinavam um determinado jornal e fazia o acompanhamento on-line. Tinham acesso privilegiado e rápido. Tão logo esses títulos são levados a protesto, eles tinham acesso aos devedores, fazendo contato via telefone com eles", disse Denilson. No caso, a vítima acabava pagando a dívida em dobro, pois, além do prejuízo com o golpe, tinha a verdadeira dívida para quitar.

No formulário enviado às vítimas, via e-mail, constava o número de contas bancárias para depósito do dinheiro. Os 17 "laranjas" já identificados recebem de 20% a 40% do valor depositado, pelo empréstimo de suas contas bancárias. "Os estelionatários sacavam o dinheiro imediatamente. O devedor do título, se viesse a fazer contato com o credor, logicamente esse não saberia que o título havia sido pago indevidamente", disse o delegado.

As investigações da polícia foram em Belo Horizonte, mas a quadrilha também atuava em Salvador (BA), Brasília (DF) e Cuiabá (MT), entre outras capitais. A polícia mineira acabou chegando a outra quadrilha. A polícia descobriu um ponto em comum dos laranjas. Um deles, Amauri Pontenciano Wilson, de 27 anos, e que tinha o seu nome em um dos formulários enviados a devedores de títulos, se passava por tabelião responsável. "Vimos que ele emprestou sua conta bancária a outras quadrilhas que fabricava cheques de terceiros. Preenchiam e depositavam esses cheques falsificados em contas de laranjas. No dia seguinte, a quadrilha ia com cartões e senhas desses laranjas para sacar o dinheiro. Os valores eram baixos para que pudessem sacar em caixas eletrônicos", disse o delegado.

Todos os suspeitos foram presos em São Paulo pela polícia mineira. Podem pegar de três a 13 anos de prisão pelos crimes de formação de quadrilha, estelionato e falsidade ideológica. Segundo os cartórios de protesto de Belo Horizonte, eles vinham agindo há três anos. "Calculamos que eles deram um prejuízo de R$ 500 mil a empresas de Belo Horizonte", disse o delegado.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 227 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal