Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

07/09/2010 - Público.pt - Última Hora Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Quadros falsos atribuídos a grandes pintores poderiam render mais de um milhão de euros

Por: José Bento Amaro

Obras apreendidas estavam numa casa de Cascais e em leiloeiras de Lisboa. Eram falsificações de quadros de Picasso, Miró e Chagall.

A Polícia Judiciária (PJ) apreendeu, nas últimas três semanas, numa residência de Cascais e em diversas leiloeiras da região de Lisboa, 27 quadros falsos cuja autoria era atribuída a alguns dos mais célebres pintores mundiais, nomeadamente Picasso, Miró, Matisse, Rubens e Chagall. A operação Traço Fino culminou com a descoberta do maior e mais valioso conjunto de obras falsificadas alguma vez detectadas no país. A PJ admite que os 27 quadros poderiam ser vendidos por "bem mais de um milhão de euros". Para já existe apenas um suspeito referenciado, mas admite-se que, em breve, outros falsificadores e até mesmo compradores deste tipo de quadros possam vir a ser indiciados.

O indivíduo que, de acordo com o inspector coordenador da PJ João Oliveira, terá cometido um crime susceptível de colocar Portugal "na rota clássica das falsificações" tem 55 anos e um passado de burlas junto das classes mais abastadas da zona de Cascais. Sem profissão conhecida e apesar de estar policialmente identificado, ainda não será no imediato que vai para a prisão, uma vez que o crime que lhe é apontado (falsificação) é contemplado numa moldura penal inferior a cinco anos de cadeia. Um juiz do Tribunal de Instrução Criminal de Cascais decretou-lhe, como medida de coacção, a apresentação periódica no posto policial da área da sua residência. Com o decurso das investigações poderá, no entanto, vir também a responder pelo crime de burla qualificada.

Algumas das obras agora confiscadas encontravam-se para venda em leiloeiras, sendo que em alguns casos o preço pedido rondava os 100 mil euros. Na casa do suspeito encontraram-se outros quadros que, num futuro breve, deveriam ser introduzidos nos circuitos comerciais. Ao que tudo indica, estes quadros, tal como uma quantidade ainda não apurada na totalidade e que terá sido transaccionada ainda antes de a PJ intervir, tinham uma "capa legal" forjada onde não faltavam sequer certificados de autenticidade... falsificados. Estes documentos, apreendidos pela PJ, estavam em casa do suspeito.

O autor mais representado no acervo agora apreendido é Picasso, tendo sido encontrados sete quadros cuja autoria lhe era imputada. Um desses quadros, uma pintura onde se cruza a utilização de guaches e a tinta da China, é apontado pela PJ (baseada no parecer de técnicos de arte contactados) como aquele que mais dinheiro poderia render no circuito comercial. Admite-se que os quadros agora apreendidos pudessem ser vendidos, nos diversos leilões, por "bem mais de um milhão de euros".

"É essencial que as pessoas que recentemente adquiriram quadros dos autores em causa contactem a polícia, pois pode dar-se o caso de terem comprado obras de arte falsas", admitiu João Oliveira.

O inspector coordenador alertou ainda para o facto de, nos quadros já apreendidos, terem sido detectadas várias técnicas, sejam elas a imitação pura e directa de obras originais (como é o caso da Andorinha, de Picasso, de 1971) ou a utilização de cores e estilos que possam levar a pensar que determinadas obras só poderiam ser da autoria de determinados pintores. Esta dualidade de falsificações leva, por outro lado, os investigadores a admitirem que outras pessoas estejam implicadas no crime, nomeadamente indivíduos com conhecimentos académicos de arte. A polícia desconfia que o homem identificado, apesar de poder estar directamente relacionado com um determinado tipo de falsificação, não será, no entanto, o único contrafactor do processo.

As obras apreendidas, na sua maioria correspondentes a períodos modernos, não são réplicas dos trabalhos mais conhecidos dos respectivos autores. Este procedimento pode indiciar um modo de defesa dos falsificadores, que assim tentam evitar que os quadros que tentam vender sejam, afinal, alguns dos que se encontram expostos em espaços públicos, nomeadamente museus e galerias.

A PJ, que salienta o facto de as investigações não estarem ainda encerradas, anunciou também que, até ao momento, nenhuma quantia monetária foi apreendida nem qualquer conta bancária foi congelada. Tal pode significar que se desconhece qual o número de quadros falsificados que terão sido comercializados antes de a operações policial ter lugar. As diligências em curso podem levar os investigadores a outros países europeus onde a comercialização de grandes quantidades de obras falsas dos mais consagrados pintores ocorre com muito mais frequência do que em Portugal. "Para já estamos [PJ] a recolher e a analisar informação", adiantou João Oliveira.Esta apreensão, ainda de acordo com o mesmo responsável da Polícia Judiciária, não teve origem em qualquer denúncia, sendo antes uma consequência do trabalho pró-activo dos investigadores, os quais mantêm contactos frequentes com leiloeiras, antiquários e coleccionadores de todo o género de obras de arte.

As declarações de compra e venda de todo o tipo de peças (pinturas, esculturas, tapeçarias, cerâmica, ourivesaria, etc.) são uma obrigação no sector, podendo os infractores ser punidos caso se confirme que tenham negociado objectos que sabiam ser furtados ou falsos. No caso dos quadros contrafeitos localizados nas leiloeiras não existem, para já, suspeitas de irregularidades propositadamente cometidas pelos responsáveis destas casas, tanto mais que as obras até eram acompanhadas dos obrigatórios certificados de autenticidade.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 972 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal