Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

28/08/2010 - Veja Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia cria falso candidato para prender 25 traficantes em favela

Agentes disfarçados mapearam pontos de tráfico, filmaram movimentação da quadrilha e desbarataram esquema de quadrilha em Heliópolis.

Recorrer a agentes infiltrados para reunir provas e prender criminosos é um expediente conhecido das polícias do mundo todo. Mas a Polícia Civil de São Paulo, desta vez, inovou: inventou um candidato a deputado estadual com nome e partido inexistentes e o sugestivo número 70.171 para desbaratar uma quadrilha de traficantes na zona sul da capital, na favela de Heliópolis.

Para fazer campanha para Cosme da Vila, nome inventado para o postulante ao legislativo do estado, agentes disfarçados circularam livremente pela comunidade por dois meses, levando a tiracolo cabos eleitorais, supostos políticos que o apoiariam e até um espalhafatoso carro de som, que servia para esconder câmeras que registravam a ação da quadrilha – entre elas cargas de maconha, crack e cocaína.

Na tarde de sexta-feira, os policiais do Grupamento Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) deflagraram a operação que resultou na prisão de 25 acusados de integrar a quadrilha de traficantes de Heliópólis.

A proximidade entre políticos ‘barra pesada’ e criminosos em comunidades carentes passou a ser, nas últimas eleições, uma preocupação da Justiça Eleitoral, que combate a formação de currais eleitorais explorados por traficantes ou grupos de milicianos – como já ocorreu no Rio de Janeiro. Desta vez, no entanto, a intimidade com os bandidos pode ter ajudado a polícia a botar a mão em um peixe grande. Os agentes capturaram um dos homens apontados como chefão do tráfico na região.

Insuspeita, a campanha de Cosme - na verdade o folheto foi feito a partir de fotos obtidas na internet - chegou a receber apoio de líderes locais e conquistou a confiança dos bandidos que se julgam ‘donos’ da favela. Ninguém, nesse período, suspeitou da numeração escolhida para o falso candidato – os últimos três algarismos do número de Cosme, que ‘concorria’ com o 70.171, é uma referência ao artigo do Código Penal para o crime de estelionato. Ou, no ‘popular’, aquele que costuma enganar para obter vantagem.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 230 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal