Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/08/2010 - O Girassol Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MPF/TO denuncia três pessoas por suposta fraude ao imposto de renda


MPF/TO denuncia três pessoas por suposta fraude ao imposto de renda

O Ministério Público Federal no Tocantins denunciou à Justiça Federal Aderson Alves de Siqueira, Aelson Alves Nogueira e Jasmon Moura de Siqueira, acusados de prestar informações falsas de rendimentos em declarações de ajuste anual do imposto de renda, para obter valores indevidos a título de restituição, causando prejuízo à União. Jasmon tem mais cinco processos que tramitam na PR/TO pelo mesmo crime.

Segundo a denúncia, a fim de obter indevidamente valores da União, Aelson teria informado falsamente na declaração do ano-calendário 2003 ter recebido o valor de R$ 11.000,00 da Prefeitura de Palestina do Pará, com o imposto de renda retido na fonte no valor de R$ 2.601,92. A declaração foi enviada à Receita Federal pela internet, através de computador instalado na residência de Jasmon, e em consequência, Aelson recebeu a quantia. Da mesma forma, em 2005, Aelson declarou ter recebido da Prefeitura de São Domingos do Araguaia (PA) o valor de R$16.600,00 com imposto de renda retido na fonte no valor de R$ 3.718,84. Apesar de ter sido novamente induzida em erro, a União não liberou este pagamento indevido de restituição por suspeita de fraude.

Para as praticar as fraudes, Aelson repassou seus dados bancários a Aderson que por sua vez os repassou a Jasmon. Conforme previamente ajustado, na qualidade de contador e responsável pela elaboração da Declaração de Imposto de Renda da Prefeitura de Palestina do Pará referente ao exercício de 2005, Jasmon também inseriu nessa declaração as referidas informações falsas, declarando Aelson como beneficiário de rendimentos do trabalho sem vínculo empregatício, impossibilitando que a Receita Federal descobrisse a mesma na conferência das declarações.

As investigações apuraram que Aelson não prestou qualquer serviço remunerado às prefeituras de Palestina do Pará e de São Domingos do Araguaia e nem recebeu pagamento, razão pela qual não houve qualquer incidência de imposto de renda retido na fonte a este título.

Os denunciados estão sujeitos às penalidades previstas no artigo 171, § 3º, do Código Penal referente à primeira fraude. Pela segunda, podem ser condenados com base no artigo 171, § 3º, combinado com o artigo 14, II, também do CP, incidindo a regra do concurso material de crimes (art. 69 do Código Penal).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 264 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal