Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

26/08/2010 - Revista Fator Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Saiba quando os sócios são responsabilizados pelas dívidas tributárias da empresa


A legislação brasileira prevê a separação da personalidade jurídica da empresa e de seus sócios, no entanto, em alguns casos, os dirigentes podem ser responsabilizados pelas dívidas tributárias da empresa. Segundo o advogado tributarista e sócio-diretor da Assis Advocacia, Milton Carmo de Assis Jr., o não recolhimento de tributos não configura infração legal que possibilite o redirecionamento da execução fiscal para diretores, gerentes ou representantes da pessoa jurídica. Isso só acontece quando fica demonstrado que o dirigente ou administrador agiu com excesso de poderes ou infringiu a lei, o contrato social ou o estatuto da empresa, ou então, que houve dissolução irregular da sociedade.

“A responsabilidade do sócio-gerente ou administrador pelas dívidas tributárias da empresa funciona como punição a quem praticou ato abusivo contra a lei, ao contrato social ou estatuto. Não há dispositivo na lei implicando a responsabilidade tributária aos sócios, mas aos diretores, gerentes ou representantes. Portanto, se o sócio não pratica atos administrativos dentro da sociedade, ele não terá responsabilidade sobre os débitos tributários”, explica Milton Jr.

A Certidão de Dívida Ativa (CDA) goza da presunção de certeza e liquidez e tem o efeito de prova pré-constituída, segundo o artigo 204 do Código Tributário Nacional (CTN) e o artigo 3º da Lei nº 6.830/80. “Por isso, nos casos em que há CDA, o ônus da prova compete ao diretor, gerente ou ao representante da pessoa jurídica. Porém, quando não há CDA, cabe ao Fisco provar que houve infração à lei, ao contrato e ao estatuto ou dissolução irregular da sociedade para redirecionar a execução fiscal contra o sócio-gerente”, destaca o tributarista. “Também é preciso provar se a conduta do sócio foi dolosa ou culposa”, completa.

No entanto, quando a execução é proposta contra a empresa e contra o sócio, ou somente contra a empresa e há indicação do nome do sócio-gerente na CDA como co-responsável tributário, compete ao sócio provar a ausência das infrações previstas no artigo 135 do CTN. “Em último caso, os sócios podem ter os depósitos bancários bloqueados ou imóveis, veículos e outros bens penhorados para leilão”, acrescenta o tributarista.

De acordo com Milton Jr., apesar da legislação apenas considerar fraude a transferência de bens após a constituição da dívida, o ato de se desfazer dos bens que possam ser penhorados antes da execução também pode ser considerada fraude e ser desfeita pela Justiça. “No último dia 23 de agosto, o STJ desfez a transferência dos bens do sócio de uma concessionária de São Paulo por considerar fraude predeterminada para lesar credores futuros”, destaca.

Perfil- A Assis Advocacia é destaque em suporte jurídico com foco no Direito Tributário, Societário e Trabalhista há 11 anos, sempre pautada pela agilidade, atendimento personalizado, alto nível técnico e especialização por área. A Assis conta com escritórios em Campinas e São Paulo que atendem empresas de médio e grande porte, de diferentes áreas de atuação, e pessoas físicas. O escritório é dirigido pelos advogados Milton Carmo de Assis, fiscal da Receita Federal aposentado, ex-instrutor da Escola de Administração Fazendária (Esaf) e pós-graduado em Direito Tributário pela PUC-SP, e por Milton Carmo de Assis Júnior, pós-graduado em Direito Tributário pela PUC-SP e especialista em Processo Tributário pelo Centro de Extensão Universitário (CEU-SP) e membro da Comissão de Assunto Tributários da OAB Campinas. O escritório também está entre os mais admirados do Brasil, segundo o Anuário Análise Advocacia 2009.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 184 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal