Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

16/08/2010 - Rondônia Dinâmica Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MPF denuncia ex-donos de falso consórcio em Ji-Paraná

Por: Claudinéa Guatura

Pelo menos 59 pessoas foram enganadas com golpe que rendeu mais de R$ 31 mil aos fraudadores.

Porto Velho (RO), 16.08.2010 – Os ex-donos da empresa GM Multicompra foram denunciados na última semana por fraude contra o sistema financeiro e estelionato. Carlos Roberto Galvão Machado e Itabiana Subtil de Oliveira operavam, sem autorização, um consórcio em Ji-Paraná. A unidade do Ministério Público Federal (MPF) no município fez a denúncia e pediu que a Justiça Federal condene os dois pelos crimes, com pena de prisão de um a cinco anos e multa.

Na denúncia do MPF consta que, de fevereiro a maio de 2008, eles engaram pelo menos 59 pessoas com a promessa de consórcios de motocicletas, veículos e imóveis. A fraude rendeu aos dois mais de 31 mil reais. Em panfletos distribuídos pela cidade, a empresa anunciava a entrada no mercado de “um grupo independente de compra”.

Para obter credibilidade, os denunciados encaminharam correspondências – documento denominado “Prospecção comercial na Cidade de Ji-Paraná/RO” – a órgãos públicos, inclusive ao Procon e à prefeitura, prestando esclarecimentos sobre o funcionamento do empreendimento administrado por eles.

“No ato da assinatura de alguns dos contratos, na sede da empresa, os donos do consórcio empregavam ardil para obterem a adesão dos consumidores, como afirmar que os interessados seriam contemplados com o bem pretendido – inclusive dinheiro – em curto espaço de tempo, que haveria o sorteio conjunto de dez contratantes, que a disponibilização do dinheiro só dependia da liberação de uma senha etc”, relata o MPF.

Após a assinatura do contratos, os denunciados exigiam 350 reais, valores referentes a “custas administrativas da proposta” e primeira parcela. Depois de alguns meses em que os consorciados pagaram as demais mensalidades, os denunciados fecharam as portas da empresa, sem que qualquer consumidor tivesse recebido o bem prometido ou recebesse de volta o valor pago.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 192 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal