Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

30/07/2010 - Jornal do Comércio Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude para lesar direitos de empregada doméstica

Por: Marco A. Birnfeld


A transmissão gratuita de bens, quando efetuada por devedor insolvente - ainda que este ignore essa condição - pode ser anulada a pedido dos credores. Aplicando o artigo 158 do Código Civil, por analogia, a Turma Recursal de Juiz de Fora (MG) julgou desfavoravelmente o recurso da reclamada e manteve a decisão de primeiro grau que declarou a nulidade da doação de um imóvel feita pela ex-empregadora aos seus filhos. O julgado manda permanecer a penhora sobre o bem.

O desembargador Fernando Antônio Viégas Peixoto explicou que o processo decorre de uma execução promovida por uma empregada doméstica, que prestou serviços à família por mais de 15 anos. Como a reclamada doou seus imóveis aos seus filhos, sem reservar qualquer bem para garantir o pagamento do crédito trabalhista - e tendo em vista as várias tentativas frustradas de recebimento desse valor - o Juízo de primeiro grau declarou a ineficácia da doação de um desses bens e determinou a penhora sobre ele.

A empregada trabalhou para a recorrente, como doméstica, de setembro de 1991 a julho de 2007, mas a sua carteira somente foi assinada em julho de 2006, mais de 14 anos após o início das atividades. Apesar de a decisão da Justiça do Trabalho ter transitado em julgado em novembro de 2007, até hoje, a trabalhadora não recebeu o seu crédito.

No entender do relator, “tudo leva à presunção de que a escritura pública de doação, lavrada em 16 de março de 2004, teve como objetivo fraudar direitos trabalhistas, já devidos à época. “E, ainda que assim não fosse a transmissão da propriedade de bens imóveis somente se concretiza com o registro do referido negócio jurídico, o que somente ocorreu em 17 de julho de 2007, menos de dois meses da data da propositura da presente reclamação” – enfatiza o voto. (Proc. nº 00809-2007-052-03-00-9)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 143 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal