Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

23/07/2010 - O Tempo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Estelionatário teria lesado namoradas em R$ 300 mil

Por: Tereza Rodrigues

Falsidade. Acusado pesquisava opções pessoais e rotina das vítimas para iniciar relação. Suspeito, apontado como uma pessoa "doce", é casado e frequentava igreja.

Duas moradoras de Belo Horizonte estão unidas por um mesmo objetivo: colocar atrás das grades o homem que, durante anos, fingiu ser um namorado apaixonado enquanto extorquia delas grandes quantias em dinheiro. As vendedoras Eunice Alves, 48, e Rosana Ferreira Pinho, 36, denunciam W. D. B. por estelionato. O inquérito corre em sigilo na Polícia Civil.

O suspeito, que é oficialmente casado, responde em liberdade e estaria, segundo as vítimas, fazendo ameaças. Procurada, a delegada Adriana Bianchini Gillac, responsável pelas investigações na Divisão de Enfrentamento ao Grande Roubo e Latrocínio (Degrel), não quis dar detalhes sobre o caso, "para não atrapalhar as investigações".

Segundo a delegada, W. está sendo investigado, mas o suposto crime de estelionato não foi configurado, por falta de provas. "O que temos, até agora, é a palavra dele contra a delas", resumiu. No momento, o processo está em poder do Ministério Público.

Conforme Luziana Santana, advogada de uma das mulheres, o acusado pode estar fazendo novas vítimas. O levantamento de provas, de acordo com ela, é lento. "Ele esperou anos para ganhar a confiança das mulheres e fez tudo muito bem planejado. Não aceitava que fossem feitos depósitos na conta dele, por exemplo. É o típico estelionatário pacífico", disse.

Eunice declara ter perdido cerca de R$200 mil desde que começou o relacionamento com W., há quatro anos. "Ele começou a frequentar uma loja que eu tinha e fez amizade com as funcionárias para conseguir informações sobre meus gostos e minha rotina. Depois, foi se aproximando e, com quatro meses de namoro, já falava em casamento", relatou.

A paixão foi a explicação dada por não ter percebido que estaria sendo enganada. Eunice relatou que amigos tentaram alertá-la, mas ela não acreditava que uma pessoa "tão doce e religiosa" fosse capaz de tamanha falsidade. "Ele usava o nome de Deus para me convencer a investir nos negócios que ele dizia ter", conta a vítima. "Vendi meu apartamento e dei R$ 90 mil para ele. Depois, ele disse que alguém pegou emprestado e não pagou", completa.

Já Rosana diz ter perdido R$ 100 mil em sete anos de namoro. Ela acredita que W. escolhe com cuidado o perfil das vítimas. Rosana e Eunice nunca tinham se visto, mas são evangélicas e frequentavam a mesma igreja da qual ele passou a participar.

Mulher seria uma das cúmplices

A advogada Ivanete Januária da Silva, que também trabalha na defesa de Eunice e Rosana, acredita que W. D. B. teria feito pelo menos outras duas vítimas. Ele tem sido visto na região central da capital circulando em um Palio vermelho, que seria de outra mulher enganada por ele.
Quando procurada pelas vítimas, porém, a pessoa que atendeu no endereço que consta nos registros da placa do veículo disse não ter relação com o suspeito. Procurada pela reportagem, a dona do apartamento, que fica no bairro Santo Agostinho, na região Centro-Sul, não quis dar declarações.

Para a advogada, W. conta com a ajuda de cúmplices, inclusive sua mulher. “Ele é casado, e, enquanto namorou minhas clientes, sua mulher sabia da existência dos relacionamentos. Hoje, ela mora em uma casa de luxo com ele”, afirma.

Segundo Rosana, a mãe e a irmã de W. também seriam cúmplices. “Tivemos um relacionamento estável e conhecemos as famílias um do outro. Mas todos eles eram cheios de segredos. Muitas vezes, liguei procurando por ele e elas só falavam que ele já estava dormindo”, contou.

Rosana só conheceu Eunice depois que encontrou um boleto bancário na carteira do então namorado. “Como já estava desconfiada que ele era um estelionatário, resolvi ir atrás da dona daquele endereço para saber que tipo de relação eles tinham. Quando ela me contou a história, percebi que ele falava as mesmas coisas que dizia para mim. Só então a ficha caiu. Demos força uma para a outra para deixá-lo de vez e denunciá-lo”, contou Rosana.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 386 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: Beatriz B J - 28/07/2010 18:12

Acho muito importante a divulgação destes casos. A coragem das mulheres em reconhecer que foram enganadas, ajuda outras, como eu, a acreditar que existem pessoas capazes de se aproveitar de outro ser humano de forma tão vil. Tambem fui vitima deste golpe, e apesar das ameaças, e da minha familia achar que devo deixar de lado o ocorrido, quero tentar receber o que me foi roubado.



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal