Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

12/07/2010 - Portal Terra Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PF adota táticas de combate ao tráfico para evitar fraudes


Passageiros que desembarcarem no Amazonas durante o período eleitoral com quantias expressivas de dinheiro em malas terão que passar por fiscalização semelhante à adotada no combate ao narcotráfico em aeroportos, portos e fronteiras brasileiras. A informação é do superintendente da Polícia Federal no Estado, delegado Sérgio Fontes, e o objetivo é coibir a compra de votos com dinheiro nas eleições deste ano.

As ações de fiscalização no embarque em aviões e barcos que partem de Manaus e de algumas cidades do interior do Estado já começaram a ser realizadas e seguem até o dia 3 de outubro, de acordo com o superintendente da PF. "Estamos empregando 60% do nosso efetivo nessas ações, além de dispormos de scanners e cães farejadores treinados para encontrar dinheiro", disse Sérgio Fontes.

O passageiro que for flagrado com quantias expressivas de dinheiro na bagagem terá que explicar à PF a origem e o destino do montante transportado e ainda apresentar justificativa com os motivos que o levaram a transportar o dinheiro em espécie em vez de depositar no banco. "Para mantermos a segurança das ações, não podemos divulgar todos os pontos fiscalizados", ressaltou.

Para o superintendente, o histórico de compra de votos em diversos municípios do Estado, durante eleições anteriores, reforçou a necessidade de adotar maior rigidez na fiscalização do transporte de dinheiro em espécie durante o período eleitoral no Amazonas. A própria capital do Estado e as cidades de Tapauá, Barcelos e Manacapuru tiveram casos de compra de votos nas eleições municipais de 2008.

Conforme prevê a Lei 9.504/97, candidatos que doarem, oferecerem, prometerem, ou entregarem dinheiro ou vantagem pessoal de qualquer natureza, inclusive emprego ou função pública, ao eleitor estão sujeitos a multa de R$ 1 mil a R$ 50 mil e cassação do registro de candidatura. O eleitor que vender seu voto também pode ser processado criminalmente.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 153 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal