Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

12/07/2010 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

País quer pagar ONU para repatriar US$ 3 bi bloqueados


O mais novo gestor público a assumir o comando da Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), Pedro Vieira Abramovay - ele tem 30 anos recém-completados -, afirmou que entre suas metas está a de acelerar a repatriação de U$ 3 bilhões bloqueados em paraísos fiscais. Para recuperar essa fortuna - amealhada com práticas como corrupção, sonegação e narcotráfico -, o secretário anuncia que vai alterar o modelo vigente de recuperação de ativos, negociando o envio de parte do dinheiro para o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) que articula o combate ao crime organizado.

"A gente quer ser o primeiro país a fazer isso para que a ONU se torne um agente de convencimento e o dinheiro volte mais rápido ao Brasil", afirma. Porém, a primeira tarefa dele é nomear um chefe para o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), órgão que permaneceu acéfalo por dois anos na gestão de Romeu Tuma Júnior, que foi exonerado na sequência de uma série de reportagens do jornal O Estado de S. Paulo, em maio e junho, que revelou seu envolvimento com Li Kwok Kwen, conhecido como Paulo Li - suspeito de integrar a máfia chinesa que foi preso pela Polícia Federal (PF) em São Paulo.

O secretário diz que a dificuldade em repatriar o montante está no fato de que nenhum país "gosta de mandar de volta o dinheiro que está lá". "O dinheiro está bloqueado, mas está rendendo, está num banco, pode ser emprestado para fomentar o crédito. Ninguém quer perdê-lo." Para contornar a situação, Abramovay defende que parte do dinheiro que volte para o Brasil seja doado para a cooperação técnica internacional. "As convenções sobre combate ao crime organizado já preveem que o país deposite uma parte do dinheiro recuperado para essa cooperação técnica, só que ninguém faz isso", conta.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 231 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal