Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/06/2010 - MSN Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Especialista alerta para agravamento do ciberterrorismo mundial

Por: Fernando Souza Filho

Americanos e asiáticos travam verdadeira guerra virtual contra os terroristas.

A cada ano que passa a sociedade moderna fica mais dependente das redes de computadores e expressões como o ciberterrorismo se tornam frequentes no cotidiano das pessoas. Nações do mundo discutem meios para combater os ataques que visam causar danos físicos e virtuais com objetivos políticos e religiosos.

Para o advogado Renato Opice Blum, especialista em direito eletrônico e sócio de Opice Blum Advogados Associados, a tendência é que o ciberterrorismo seja mais intenso. “A utilização cada vez maior da internet e a dependência da sociedade dos sistemas faz com que praticamente tudo funcione em razão de computadores. Diante disso, temos aqueles que utilizam o sistema não só para levar vantagem, mas também para destruir”.

São situações que já aconteceram e vão acontecer ainda mais. A preocupação com o ciberterrorismo é tanta que os EUA decidiram juntar-se às negociações da ONU contra “cyberwar” e crimes na internet. Os Estados Unidos, inclusive, participaram das discussões com a Rússia e a Comissão de Controle de Armas da ONU para discutir como pretendem combater crimes informáticos. “Tivemos exemplos envolvendo conflitos internacionais e guerras, como foi o caso de ataques contra a Rússia e Geórgia, no ano passado, além do governo da Estônia que, em 2007, ficou com diversos sites inacessíveis, incluindo o do parlamento, ministérios e bancos”.

De acordo com Opice Blum, reflexos econômicos diretos e indiretos são sentidos a partir do momento em que se quebra a infraestrutura através dos ataques. “Se deixar de funcionar energia elétrica, por exemplo, você perde estruturas financeiras e apoio hospitalar. É um ponto muito sensível. Quando você atinge um sistema de infraestrutura a economia acaba sendo abalada”.

A realidade no Brasil não é diferente. O País está parcialmente preparado para enfrentar e punir os ataques. “A legislação brasileira abrange uma certa gama de condutas, inclusive terroristas, mas precisamos melhorar essa cobertura para adequar o poder legal ao poder da internet”, acrescenta o especialista, que alerta para a necessidade de meios de acesso mais rápidos à fraudes eletrônicas, meios de preservação de provas eletrônicas mais eficientes e, ao mesmo tempo, penas adequadas ao potencial de uma ação dessa natureza.

Nosso país já teve casos com suspeitas de ataques cibernéticos, alguns similares ao apagão do ano passado, que deixou vários estados sem energia elétrica. Na época, foram levantadas suspeitas de ciberterrorismo, algumas falhas, mas a comprovação de um eventual ataque doloso ficou no ar.

“Além da dificuldade de fazer a ligação do problema com ataques cibernéticos, há um certo receio em admitir o problema até mesmo para não gerar pânico na sociedade. Mas o Brasil está trabalhando preventivamente contra isso. Temos órgãos e pessoas trabalhando especificamente nesses casos. O gabinete de segurança nacional e o exército brasileiro têm planos contra a guerra eletrônica, pois a tendência é que o mundo se encaminhe para esse tipo de crime”.

Uma das soluções apontadas por Opice Blum para amenizar o ciberterrorismo é a reunião de países e nações para que possam promover tratados e convenções de colaboração e organização mútua. Paralelamente, os países têm de montar infraestruturas próprias, não só jurídicas, mas também técnicas e de respostas imediatas para que possa conter eventuais ataques. “E mesmo assim, não há garantia plena de contingência dessas situações”, finaliza.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 305 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal