Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

19/06/2010 - odiario.com Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Identificados suspeitos de clonagem de cartões

Por: Rosângela Gris


A Delegacia de Estelionato prendeu quinta-feira dois homens acusados de clonar cartões bancários e de crédito. A dupla foi detida pela Rotam, na BR-376, e encaminhada à delegacia de Apucarana. No entanto, os acusados tiveram que ser liberados por falta de provas.

Segundo o delegado Paulo Roberto Machado, a dupla de São Paulo estava há alguns dias em Maringá, hospedada em um hotel no Centro. "Quando chegamos, eles já haviam fugido, por isso pedimos a ajuda da Rotam", conta.

Machado afirma que os homens são acusados de formação de quadrilha, estelionato e furto. Quando foram detidos em Apucarana, policiais encontraram um recibo dos correios, constatando o envio de um malote de Maringá para São Paulo.

"Como não encontramos os equipamentos de clonagem com eles, suspeitamos que eles haviam mandado pelo correio. Pedimos para os funcionários da central de distribuição da Avenida Mauá, na Vila Operária, abrir a correspondência, mas eles se recusaram a obedecer. Por causa disso, não conseguimos as provas, e os homens foram liberados em Arapongas durante a noite, pois não houve flagrante", explica Machado.

Ontem, com o auxílio da Polícia Federal, a correspondência foi aberta e se constatou que dentro dela havia equipamentos utilizados para clonagem. "Eles colocavam os aparelhos nos caixas eletrônicos e todas as informações dos usuários, como senhas e saldo bancário, eram armazenadas", explica o delegado.

Os policiais estão levantando em quais bancos e estabelecimentos os bandidos podem ter utilizado o aparelho em Maringá. "Poderíamos ter todas essas informações, se os acusados não tivessem sido liberados. Agora será difícil encontrá-los", reclama o delegado.

Em nota enviada a O Diário, a Empresa Brasileira de Correios esclareceu que correspondências somente podem ser abertas mediante ordem judicial ou mandado de busca e apreensão, documentos que não foram apresentados durante a primeira apresentação da polícia em sua agência.

Pista

"Como não encontramos os equipamentos com eles, suspeitamos que eles haviam mandado pelo correio".
Paulo Roberto Machado
Delegado

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 165 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal