Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/06/2010 - O Globo Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Acusados de fraudar concurso da PF terão que devolver dinheiro aos cofres públicos

Por: Marcelle Ribeiro


SÃO PAULO - Os seis acusados de se beneficiarem de uma fraude a um concurso de agente da Polícia Federal, investigados na Operação Tormenta , não participaram da formatura dos novos servidores nesta sexta-feira e ainda terão que devolver aos cofres públicos a ajuda de custo que receberam do governo durante o curso de formação.

Segundo a assessoria de imprensa da PF, os cinco homens e uma mulher foram desligados do curso e por isso não participaram da formatura. Eles não serão empossados e ainda terão que ressarcir os cerca de R$ 3500 que receberam durante quatro meses e meio de treinamento, pois foram desligados por justa causa.

Em Brasília, eles tiveram aulas de tiro e de técnicas de investigação, entre outras disciplinas e ficaram alojados na Academia Nacional de Polícia. De acordo com a PF, os acusados foram aprovados em todas as atividades do curso de formação e seriam empossados caso não estivessem sendo investigados pela fraude no concurso. Os seis foram indiciados pelos crimes de receptação e estelionato e respondem em liberdade. Segundo a assessoria de imprensa da PF, não cabe recurso administrativo da decisão de desligamento do curso de formação.

A investigação da Polícia Federal sobre fraudes em concursos públicos e exame da OAB teve ajuda de uma professora de Santos, litoral paulista , onde funcionaria a base da quadrilha. No ano passado, a professora foi procurada por dois candidatos, em dias diferentes. Os dois fizeram a ela a mesma encomenda: que redigisse um texto sobre o tema do concurso da PF. O segundo candidato foi incisivo - queria "uma redação mais apurada" e comentou que se destinava a um concurso. Nesta quinta-feira, pelo menos 80 candidatos suspeitos de se beneficiar com o esquema foram notificados pela PF.

Desconfiada, a professora comentou o fato com os responsáveis pelo estabelecimento de ensino onde trabalha. Logo, os movimentos dos candidatos chegaram à cúpula da corporação, em Brasília.

Segundo a PF, as provas chegavam a ser vendidas por até US$ 150 mil. Doze integrantes da quadrilha foram presos.

O esquema de fraude no litoral paulista teria se iniciado há 20 anos, em concursos para a Polícia Civil, em Santos, na Baixada Santista. Desde então, segundo uma fonte da polícia, a quadrilha se especializou em fraudes para concursos de outras carreiras, como Polícia Militar, Auditor e Técnico do Tesouro Nacional e Polícia Federal.

Em um concurso para Técnico do Tesouro, pessoas de uma mesma família teriam sido aprovadas com a mesma nota, fato que gerou a desconfiança.

O juiz da 3ª Vara Federal em Santos, Herbert Cornélio Pieter de Bruyn Júnior, que concedeu os mandados de prisão disse que a investigação tem caráter sigiloso.

- O objetivo é preservar a imagem das pessoas investigadas e resguardar as investigações - afirmou

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 149 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal