Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/06/2010 - Tribuna do Norte Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude em velocímetro é crime no país e dá prisão


O mercado de veículos seminovos no Brasil está aquecido e é, sem dúvida, um excelente palco para a prática de bons negócios. No entanto, é preciso ter cautela quando se negocia um automóvel “usado”, pois o mesmo pode estar “viciado”. Uma das práticas mais comuns é a fraude do velocímetro, ou seja, a adulteração do mesmo (diminuição da quilometragem do veículo), visando melhorar o seu valor de venda. Essa desonestidade, infelizmente, é praticada por alguns particulares e/ou comerciantes.

Quando o velocímetro de um veículo é alterado por alguém, esse alguém está infringindo o artigo 66 do Código de Defesa do Consumidor, o que pode gerar prisão de 3 meses a 1 ano. Além disso, o consumidor lesado pode exigir o desfazimento do negócio, o abatimento do preço, a substituição do carro por outro que atenda ao que foi pactuado e, ainda, indenização pelos eventuais prejuízos sofridos.

O prazo para reclamação, por se tratar de vício de difícil constatação, é de 90 (noventa) dias, a partir do conhecimento da “fraude”.

Por outro lado, quando um “particular” adultera o velocímetro do carro antes de vendê-lo, está infringindo o artigo 171 do Código Penal Brasileiro, podendo ser condenado de 1 a 5 anos de prisão. O comprador do veículo, por seu turno, conta com uma “garantia” assegurada pelo Código Civil do Brasil e o vendedor pode ser obrigado a devolver o valor pago e a receber o carro de volta. Além disso, ainda pode ser condenado por perdas e danos.

Dicas importantes

1. a escolha de um carro usado requer cuidados especiais, pois não se sabe nada do seu passado;

2. escolhido o veículo, antes de fechar o negócio leve-o a um mecânico de confiança e submeta-o a uma avaliação geral (lataria, freios, câmbio, motor, parte elétrica, amortecedores, suspensão etc;

3. veja no Manual do Proprietário as datas de realização das revisões periódicas. Confirme na concessionária indicada no manual se realmente as revisões foram feitas.Frauda-se até carimbos

4. além do “recibo” de venda do veículo, elabore um contrato no qual conste uma declaração do vendedor sobre a quilometragem do mesmo, seu estado geral de conservação etc. Isso servirá para um futuro confronto das informações do vendedor com o estado real do carro e até fraudes;

5. guarde detalhes do anúncio;

6. ao desconfiar de adulteração, submeta o carro a uma vistoria e peça um laudo do velocímetro. Constatada a fraude, registre um Boletim de Ocorrência numa Delegacia e faça reclamação no Procon (quando se tratar de compra feita em loja).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 828 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: Shen Rochus Mingli - 21/06/2010 08:31

Creio não ser o velocímetro sujeito á adulteração. Seria o hodômetro (ou odômetro).



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal